• Postado por Tiago

ABRE-11-casa-na-rua-herbert-Akremer

Empresa do São João já fechou cinco contratos com a prefa, quatro com dispensa de licitação

Há realmente muita coisa suspeita envolvendo a empresa de Angela Cristina Argolo da Silva, que atende com o nome fantasia de Argolo Empreiteira de Mão de Obra. Onze dias antes da data de abertura oficial, a empresa já estava prestando serviço pra prefeitura de Itajaí.

Segundo o contrato 116/2009, assinado no dia 9 de abril e publicado no Jornal do Município de 29 de abril, a Argolo foi contratada para fazer a remoção de entulhos das ruas de Itajaí. Ela deveria fornecer equipamentos e mão-de-obra. O contrato informa que o trabalho começou no dia 15 de janeiro e se encerrou na sexta-feira passada, dia 15 de maio.

Só que a empresa, segundo o cadastro nacional da Receita Federal, só foi aberta no dia 26 de janeiro. Ou seja, antes mesmo de existir ela já tava trabalhando pra prefa. O serviço contratado pela prefa totalizou 192 horas mensais de trabalho e custou aos cofres públicos quase R$ 149 mil.

Este foi apenas um dos trabalhos prestados pela Argolo à prefa peixeira. Embora na Receita Federal a proprietária declare que sua atividade econômica principal seja a locação de mão-de-obra temporária e as atividades secundárias sejam aluguéis de máquinas e equipamentos para construção sem operador, comércio atacadista de materiais de construção em geral e limpeza, a Argolo fez de tudo um pouco no município.

Trabalhou com pintura e recuperação no posto da Murta e pra isso embolsou R$ 28 mil. Limpou 33 escolas da rede municipal de ensino e ganhou R$ 214 mil, pelo serviço que foi contratado no dia 12 de fevereiro – isso 17 dias depois de ser criada. No início de março, ainda foi contratada pelo Porto de Itajaí para limpar as praias peixeiras e faturou R$ 40 mil pelo serviço que durou 30 dias.

Os quatros contratos, que renderam aos cofres da empresa quase 450 mil reais, foram feitos com dispensa de licitação ? sem concorrência pública. A dispensa de licitação rolou com base no caráter emergencial, por conta da enchente que detonou a city em novembro de 2008.

Ainda em março, a empresa participou de um pregão para alugar caminhões caçamba para a prefa. Cada empresa alugou um brutus. A Argolo cobrou R$ 68 mil pelo aluguel de um caminhão, a construtora Policons LTDA (R$ 60 mil) e a Osvaldo Dias da Silva (R$ 74 mil).

Tudo em família

A proprietária da Argolo é professora da rede estadual de ensino e mora numa casa simples da rua Antonio Reiser, no centro de Navegantes. Desde janeiro, porém, ela se transformou numa bem sucedida empresária, já que, em menos de cinco meses, a empresa conseguiu fechar cinco contratos com a prefa peixeira que juntos somam meio milhão de reais. Isso sem a empresa ter sequer uma sede, já que seu endereço oficial é a própria casa de Cleusa e Nildo Cassaniga, irmã e cunhado de Angela, que moram na rua Hebert Kremer, 161, no bairro São João. Cleusa é professora efetiva do município e de janeiro a maio deste ano ocupou o posto de diretora da secretaria de educação ? pasta para a qual a Argolo prestou serviço. O DIARINHO tentou ouvir o secretario de administração, Marcos Antônio Emílio, mas ele não atendeu o celular na noite de ontem.

  •  

Deixe uma Resposta