• Postado por Tiago

Pelo menos 19,4 milhões de pessoas saíram da linha da pobreza nos últimos cinco anos

Algo em torno de 31 milhões de brasileiros pularam de uma classe social para a outra entre os anos de 2003 e 2008. Os maiores beneficiados fazem parte das parcelas mais pobres da população. A afirmação é do economista Marcelo Néri, da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Para chegar a essa conclusão, Néri e sua equipe de sabichões se debruçaram sobre os resultados da pesquisa nacional por amostra de domicílios (PNAD), do instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e que foi divulgada semana passada pelo governo.

Pelos estudos do economista da FGV, pelo menos 19,4 milhões de pessoas saíram da chamada linha de pobreza. Eram integrantes da classe E, que moram em famílias de aproximadamente cinco pessoas com renda domiciliar inferior a R$ 768,00. A pesquisa do IBGE também mostrou aos sabichões que algo em torno de 1,5 milhão de brazucas saíram da classe D durante os anos de 2003 e 2008. A classe D é formada por famílias que têm renda total de R$ 768,00 a R$ 1.114,00.

Néri diz que graças ao aumento de renda do povão, o grupo dos brasileiros mais pobres diminuiu 43%. Com isso, diminuíram também as desigualdades de renda no país. Nos últimos cinco anos, afirma o economista, a classe C recebeu 25,9 milhões de novos integrantes. Essa classe econômica é a maioria da população e é classificada como os que têm renda familiar entre R$ 1.115,00 e R$ 4.807,00.

Também cresceu o número de ricos no Brasil. A classe AB, representada por famílias com renda total acima de R$ 4.807,00, ganhou 6 milhões de pessoas.

Bolsa família

O programa bolsa família teria sido o principal responsável por ter tirado da linha da pobreza os 19,4 milhões de brasileiros, diz o sabichão da FGV. ?Se eu reajusto o Bolsa Família, a grande beneficiária é a classe E. Se eu aumento o salário mínimo, por exemplo, quem mais ganha é a classe D. Já se faço reajuste das aposentadorias acima do [salário] mínimo quem ganha mais é a classe AB?, conclui Néri.

  •  

Deixe uma Resposta