• Postado por Tiago

Os jornalistas Moacir Pereira, César Valente e Paulo Brito, que estão entre os fundadores do Curso de Jornalismo da UFSC, participam na próxima terça-feira (19) do projeto Papo de Jornalista, promovido pela Associação Catarinense de Imprensa, na rua Victor Meirelles, 2º andar, centro de Floripa, às 19h, com entrada na faixa.

A partir da experiência de fundação do curso, que é considerado um dos melhores do país, Moacir, César e Paulo Brito vão debater com a plateia (jornalistas profissionais e estudantes) a evolução do jornalismo na Santa & Bela. O curso da UFSC comemora 30 anos em 2009. 

Quem for ao Papo de Jornalista deste dia 19 também vai poder conferir o trabalho do Clube do Choro de Florianópolis. Criado em 2005 para preservar a memória desse gênero musical e incentivar os talentos locais, o clube reúne músicos e admiradores do chorinho. O projeto Papo de Jornalista começou no ano passado, durante as comemorações dos 40 anos de fundação da ACI. Já participaram do evento Carlos Fehlberg, ex-diretor de redação do Diário Catarinense, e Roberto Alves, comentarista esportivo do grupo RBS. 

Saiba mais sobre os fundadores do curso de Jornalismo da UFSC 

César Valente 

Formado em Comunicação Social pela Famecos, da PUC/RS, César começou a carreira na TV Gaúcha, em Porto Alegre. Foi diretor de redação do Jornal O Estado, editor e secretário de redação da Gazeta Mercantil (Sucursal de Brasília). Integra a equipe do Diário do Litoral (DIARINHO), onde assina uma coluna diária. 

Moacir Pereira 

Formado em Direito pela UFSC e mestre em Ciências Políticas, Moacir é referência em jornalismo político no estado. Coordenou o Curso de Jornalismo da UFSC entre os anos de 1979 e 1982. Atuou em diversos veículos de comunicação, tais como Jornal de Santa Catarina, A Notícia e O Estado. Também foi correspondente em Santa Catarina do Jornal de Brasília e da revista Manchete. É comentarista político do Grupo RBS. 

Paulo Brito 

Formado em Comunicação Social pela Famecos, da PUC/RS, atuou na sucursal do Grupo Caldas Júnior e no Jornal de Santa Catarina. É comentarista esportivo do Grupo RBS. 

Sobre o Clube do Choro de Florianópolis 

A prática do Choro em Florianópolis tem um passado interessante, principalmente nos anos 40 a 70, quando existiam cinco regionais de choro atuantes: “Regional do Avico”, “Regional do Mandico”, “Regional do Nilo” e o “Regional do Zequinha”. Dentre eles, o “Regional do Zequinha” foi o mais conhecido em todo estado. Esses grupos participaram de espetáculos promovidos pela Fundação Catarinense de Cultura, denominados de “Noite do Choro”, quando músicos renomados mostravam a qualidade desta que é a genuína música brasileira. 

Para preservar essa memória e incentivar os talentos da cidade, foi criado em 13 de março de 2005 o “Clube do Choro de Florianópolis”, que reúne músicos e admiradores deste estilo musical. De lá para cá,vem desenvolvendo vários projetos para divulgar esta que é a primeira música urbana tipicamente brasileira, surgida nos fins do século XIX. 

  •  

Deixe uma Resposta