• Postado por Tiago

A advogada Cynthia Pinto da Luz é representante do Movimento Nacional dos Direitos Humanos. Ela disse que a violência policial é uma prática recorrente em todo o país. Pra dotôra, as políticas de segurança pública no Brasil seguem um modelo repressivo em que a tortura e a violência não são vistas como um problema, especialmente por parte dos grupos especiais, como o BOPE e o GRT.

“Os direitos humanos já são violados nos treinamentos desses destacamentos especiais da polícia, voltados pra repressão, violência e tortura. O que parece que eles fazem é reproduzir isso quando vão para as ruas”, afirma.

A advogada diz que a agressão a qualquer pessoa é uma prática inaceitável e exige denúncias em todas as esferas possíveis. “A população tem a obrigação de denunciar nos órgãos de defesa, no ministério público e na ouvidoria da polícia. Se violência resolvesse o problema da criminalidade, a sociedade já seria outra”, comenta.

Pra ela, o que rola é muita omissão dentro da polícia militar, que deveria punir essas práticas. “As corregedorias, que deveriam investigar, ignoram o problema. Dão advertência e não fazem mais nada”, lascou.

Cynthia informou que na próxima semana vai rolar, em Brasília, uma conferência nacional pra discutir mudanças na segurança pública. Mas para ela, o assunto chega a ser contraditório, já que nenhuma atitude é tomada com relação aos casos de agressão que seguem rolando país afora. Somente em 2009, quatro denúncias de agressão e tortura pela polícia em Itajaí chegaram ao DIARINHO.

“É complicado discutir mudança na segurança pública, enquanto a população segue apanhando da polícia nas ruas de Itajaí e de muitos municípios brasileiros”, concluiu a advogada, que já morou em Itajaí e hoje atua em Joinville.

  •  

Deixe uma Resposta