• Postado por Tiago

O advogado que representa o estudante de engenharia civil Lucas Spernau, dotô Álvaro Machado, desmente o boato que tá circulando pela city, de que o garotão teria viajado de mala e cuia pra Inglaterra. “Ele não vai fugir e não vai fazer nada que esteja fora da legalidade”, afirma. No dia 20 de dezembro, o cara dirigia uma Nissan Infinity chicosa, em alta velocidade e com os faróis apagados, quando acertou em cheio um táxi e matou três pessoas. Uma quarta vítima segue internada no hospital Santa Inês.

Álvaro conta que, como seu cliente chegou a ser grampeado e tá em liberdade provisória, não pode deixar a city por mais de oito dias sem pedir autorização à dona justa. Ele diz que Lucas até poderia sair do país, mas pra isso precisaria bater um papo com o juiz. “Se o juiz autorizasse ele poderia se ausentar. Mas não foi feito nenhum pedido como esse”, garante o advogado.

O rapaz passou os últimos dias numa clínica de Blumenau, se recuperando do acidente. “Ele teve uma batida na cabeça, os médicos tavam preocupados”, disse Álvaro. Depois de receber alta, o advogado conta que o rapaz voltou pra sua casa, num condomínio da Maravilha do Atlântico. A família do estudante deverá passar o ano novo na casa de parentes, fora da cidade.

A tragédia do ano

Na madrugada do dia 20 de dezembro, Lucas pilotava o carrão, placa MER-5513 (Balneário Camboriú), pela rua 2000, quando atravessou a Terceira avenida voando baixo e com os faróis apagados. Ele bateu com tudo no táxi Fiat Siena, placa MDN-2146 (Balneário Camboriú), que seguia sentido centro.

A pancada foi tão forte, que os três passageiros, Simone Borges Machado, 27 anos, e o casal de namorados Edival Dias de Oliveira, 38, e Carina da Silva, 22, foram jogados pra fora do carro. Simone e Edival morreram na hora. O taxista, natalino Amaral Gomes, o Gaúcho, 52, chegou a ser atendido mas partiu pro além a caminho do hospital. Carina foi encaminhada ao Santa Inês, em estado grave, e tá lutando pra sobreviver.

  •  

Deixe uma Resposta