• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PÁGINA-SEIS-afundou-naufragou-virou-rio-itajai-acu

Barco que naufragou continua nas águas lamacentas do Itajaí-Açu

A Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí está aguardando o projeto de resgate do barco pesqueiro Alalunga V, que naufragou sexta-feira nas águas lamacentas do Itajaí-Açu com quatro tripulantes a bordo. Depois disso poderá autorizar a retirada da embarcação do canal do rio.

O dono do barco até chegou a apresentar um projeto de resgate, que foi aprovado parcialmente pelos especialistas da delegacia da capitania. A expectativa era de que o empresário entregasse o projeto alterado segunda-feira, mas até ontem, no horário do fechamento desta edição, o novo ainda não tinha sido apresentado.

O inquérito que investiga as causas do acidente deve ficar pronto dentro de 30 dias. No acidente, ninguém ficou ferido. O pesqueiro emborcou por volta das 8h a cerca de 15 metros da margem do rio Itajaí-açu, próximo à avenida Reinaldo Schmithausen, nos Cordeiros. O trecho do leito do rio onde ocorreu o acidente fica próximo ao canal de navegação de embarcações de grande porte, mas não tá atrapalhando a passagem dos navios.

A operação de resgate dos tripulantes que ficaram presos no casario do barco durou cerca de três horas. Para a retirada dos pescadores do rio, foi montada uma verdadeira força-tarefa, sendo preciso controlar até o fluxo de veículos na avenida.

Dois tripulantes foram retirados no começo da manhã e encaminhados para o hospital Marieta Konder Bornhausen. O primeiro a sair da embarcação foi Laureano Paulo Schuofer, de 41 anos, seguido por Geisel Alcemir Peixoto, 26.

Como o local onde o barco virou não era muito profundo, se formou uma espécie de bolha de ar entre o casario e o casco do navio, de onde os últimos tripulantes que ficaram presos na embarcação retiravam o oxigênio para se manter.

Três horas depois do naufrágio, mergulhadores de uma empresa especializada em resgate que conheciam a embarcação tiraram da água Marcos Gonçalves Francisco, 53 anos e Manoel Francisco Pereira, 47, que já tavam ficando congelados naquela água fria. Todos passam bem.

  •  

Deixe uma Resposta