• Postado por Tiago

A artesã Bianca de Cássia Alvez Warlez, 23 anos, tá indignada com a grosseria dos policiais militares do Balneário Piçarras. Diz que os PMs intimidaram seu tio e quando ela foi tirar satisfação, soltaram os cachorros na coitada e ainda a empurraram. O bafafá rolou na noite de domingo, na feirinha de artesanatos próxima ao shopping de Piçarras. A jovem já oficializou a denúncia ao comando da PM.

Bianca é gaúcha e tá com a família em Piçarras pra ganhar um troco com artesanatos. Lá pelas 20h30 de domingo o tio, José Rodrigo Araújo, acompanhado da irmã dela de 15 anos, foi comprar cigarros num mercadinho perto da feirinha. No caminho um PM o parou e teria dito: “Se você aprontar aqui eu te racho a cara”. O tio de Bianca é de Blumenau e já conhecia o policial da Terra da Alemãozada, mas jura que nunca aprontou por lá.

Quando José voltou à feira contou o ocorrido pra sobrinha. Bianca ficou tão indignada que tomou as dores do tio e foi até o policial. Quando chegou no local teria recebido um: “Ô, chinelo, vaza daqui!”. Ela então voltou pra feira decidida em registrar queixa contra o policial abusado, mas lembrou que precisava do nome dele. Por isso voltou até o local onde estava o PM para tentar identificá-lo.

Pela história contada pela artesã, o PM e outros dois fardados teriam começado a fazer pouco caso do seu pedido de identificação. Pra piorar as coisas, os nomes não estavam gravados nos coletes. Um dos PMs teria ainda empurrado Bianca e dito pra ela desenhar ele pro capitão pra tentar identificá-lo.

Na mesma noite, a artesã e o tio foram até o quartel e outro policial teria expulsado os dois de lá. Só na terça-feira ela conseguiu registrar a denuncia na PM. Bianca diz que o capitão Marcelo Pereira, que a atendeu, disse que sabia quem eram os soldados, mas não iria contar.

Tão investigando

O capitão Marcelo Pereira, encarregado pelos policiais da operação veraneio, disse ao DIARINHO que o policial envolvido no caso de Bianca já prestou depoimento. Ele alega que não desrespeitou a artesã, nem a empurrou, e teria ido falar com o tio dela só pra perguntar o que ele tava fazendo em Piçarras, já que o conhecia de Blumenau.

O oficial informa que o depoimento dos envolvidos foi repassado para o comando da PM de Penha, que tem até 30 dias pra concluir a sindicância que foi aberta. O capitão afirma que não divulgará o nome do policial porque o caso não foi concluído e ele ainda não foi julgado.

  •  

Deixe uma Resposta