• Postado por Tiago

“O Presidente da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, senhor Eduardo Meneghelli, no uso de suas atribuições institucionais, vem, pela presente nota oficial, esclarecer a população, em matéria publicada pelo jornal DIARINHO, edição do dia 5 de novembro, que o veículo Fiorino, de placas MAI 5295, citado pelo órgão de imprensa e utilizado pela Fundação Cultural, encontrava-se em uso oficial, sendo que a Fundação Cultural de Balneário
Camboriú atende em horário diferenciado dos demais órgãos públicos do município, portanto os horário de atendimento da Fundação Cultural, das 09h às 12h e 14h às 18h, e interno o horário é ininterrupto das 9h às 18 h.
Assim sendo, as referidas publicações têm tão somente o condão de atender ao princípio de denúncia.
A fundação Cultural de Balneário Camboriú considera que os veículos de comunicação têm cumprido um papel excepcional nas denúncias a órgãos públicos, porém deve-se  sobretudo averiguar as devidas informações antes de publicá-las aleatoriamente, sendo que nem mesmo a prefeitura de Balneário Camboriú, a  Fundação Cultural de Balneário Camboriú, bem como seu presidente foram consultados a respeito, já que é de conhecimento deste prestigiado veículo, os telefones celulares do presidente da fundação e também do assessor de imprensa da Prefeitura, que não recebeu informações sobre o ocorrido e após às 19h, já não se encontrava mais na repartição
pública.”

Ass: Assessoria de imprensa da fundação Cultural de Balneário Camboriú

(Transcrito ipsis litteris)

NdaR: O DIARINHO, que sempre preza pela fidelidade das informações publicadas, fez das tripas coração pra tentar ouvir da prefeitura as razões para que um veículo oficial tenha sido avistado entre o meio-dia e as duas da tarde, abandonado numa rua do centro da cidade, longe de qualquer órgão público. A reportagem fez o primeiro contato com uma mulher chamada Sílvia, na assessoria de imprensa, que repassou a ligação para um barnabé de nome Jaildo, da ouvidoria da prefa, que disse que iria investigar o caso e prometeu uma resposta oficial, não sendo mais encontrado depois disso. Todos os contatos e tentativas de respostas foram feitos antes das 18h. Independente disso, o DIARINHO e os leitores continuam esperando a resposta da prefeitura e da fundação Cultural, que ainda não explicaram o que o carango oficial estava fazendo na rua 3.310.

  •  

Deixe uma Resposta