• Postado por Tiago

INTERNA-18-ABRE---s---alysson-pacheco

Alysson (esq.) tá indignado com a falta de apoio da prefa

O campeonato brasileiro de taekwondo, que rola nos dias 5 e 6 de setembro em Cuiabá, no Mato Grosso, tá causando mó arranca-rabo entre atletas de Balneário Camboriú, que se classificaram pra competição, e a fundação de esportes da city. Atleta diz ter ouvido um ?não? quando foi pedinchar a passagem e ameaça competir por Itajaí. Treinador da equipe diz que tá rolando guerrinha de egos e carca que só ganha patrocínio quem dança conforme a música da fundação.

A confusão começou quando cinco faixas-pretas da Maravilha do Atlântico participaram de uma seletiva em Lages e conseguiram índice pra integrar a seleção catarinense no campeonato brasileiro. Alysson Pacheco, que foi classificado, diz que ouviu do coordenador de modalidades da fundação, Romualdo Farias, que a prefa não pagaria a passagem de ninguém pra Cuiabá. ?Ele disse que era muito longe, o gasto seria muito grande?, comentou.

O atleta tá injuriado com a falta de apoio. ?O que a gente espera é apoio pra representar a cidade?, diz. Alysson contou que se não rolar uma mãozinha em Balneário, vai competir por Itajaí. ?Vamos negociar por lá?, lascou.

Discursos desconexos

O abobrão da fundação, Romualdo, diz que a história não é bem como o atleta conta. ?A fundação não tem como arcar com os gastos de todos os atletas. Vamos verificar quem realmente tem chances de trazer medalhas?, afirmou.

Já o treinador da equipe de taekwondo de Balneário, Paulo Ribeiro, diz que o buraco é mais embaixo. ?Os atletas que dizem que não tão recebendo apoio se negaram a treinar por Balneário Camboriú, treinam por Itajaí. Nós montamos uma equipe e eles não se apresentaram. Tanto que competiram em Lages com a jaqueta da Liga Sul Americana, que tem sede em Itajaí, e não com o nome de Balneário?, carcou.

Paulo diz que a fundação estabeleceu alguns critérios pra que o atleta possa pleitear um patrocínio, e entre eles tá o cadastro na prefa e treinos com a equipe da city. ?Eles não aceitaram nenhuma dessas coisas. Se querem treinar em outro lugar e pegar patrocínio daqui, vão estar se aproveitando de dinheiro público?, completou.

O treinador da equipe de taekwondo de Itajaí, Lenoir Oliveira, disse que sabe da confusão entre os atletas e a prefa da Maravilha do Atlântico. ?Eles treinam comigo e a fundação quer que treinem com outro treinador?, comentou. Questionado se os atletas podem mesmo competir por Itajaí, a resposta foi afirmativa. ?Eles são atletas da Liga. Se tiver vaga, podem ir?, afirmou.

  •  

Deixe uma Resposta