• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PAGINA-SEIS-p---barco-virado-nos-Cordeiros-(5)

Povão se aglomerou na beira do rio pra ver o resgate dos tripulantes do pesqueiro

Quatro tripulantes do barco pesqueiro Alalunga V viveram momentos de desespero na manhã de ontem, em Itajaí. O pesqueiro emborcou a cerca de 15 metros da margem do rio Itajaí-açu, próximo à avenida Reinaldo Schmithausen, nos Cordeiros. As causas do acidente, ainda não foram identificadas, mas existe a suspeita de que a embarcação virou porque tava com o peso do lastro mal distribuido. O trecho do leito do rio onde ocorreu o acidente fica próximo ao canal de navegação de embarcações de grande porte. O Alalunga V é especializado em pesca de atum, em alto mar

O acidente rolou por volta das 8h. Para muitos, a forte neblina que cobria a região foi a responsável pela treta. A operação de resgate durou cerca de três horas e foi acompanhada, de perto, pelo povão que se aglomerou na beira do rio pra ver o que tava rolando. A cada minuto dentro d?água, os tripulantes que ficaram presos no casario corriam mais risco de hipotermia (baixa temperatura).

Uma verdadeira força-tarefa foi montada para resgatar os tripulantes, envolvendo o pessoal dos bombeiros, polícia militar, Marinha, Samu, Codetran e funcionários de uma empresa especializada em mergulho.

Dois tripulantes foram retirados das águas do rio no começo da manhã e encaminhados para o hospital Marieta Konder Bornhausen. O primeiro a sair debaixo do barco foi Laureano Paulo Schuofer, de 41 anos. O segundo foi Geisel Alcemir Peixoto, 26, resgatado por um soldado do corpo de bombeiros.

Como o local onde o barco virou não era muito fundo, se formou uma espécie de bolha de ar entre o casario e o casco, de onde os tripulantes retiravam o oxigênio para se manter vivos. Mesmo assim, o risco de morte era grande devido à temperatura da água. Com a ajuda dos mergulhadores da empresa especilizada em resgate, no final da manhã os outros dois tripulantes foram retirados com vida do barco lazarento. Marcos Gonçalves Francisco, 53, saiu primeiro e o último tripulante a deixar o barco foi Manoel Francisco Pereira, 47. Eles foram levados imediatamente pro hospital, pois já tavam quase congelando depois de ficar mais de três horas na água gelada.

Manobra arriscada

Pra retirar os tripulantes do barco, os bombeiros chegaram a pensar em cortar o casco, mas depois descobriram que o tanque tava cheio e poderia provocar uma explosão. A saída foi pedir ajuda aos mergulhadores especilizados, que foram ao local exato onde os tripulantes tavam trancados. Como o espaço para a retirada dos caras só dava pra passar um de cada vez, a operação exigiu o máximo de atenção e cuidado.

A Delegacia da Capitania dos Portos de Itajaí abriu inquérito para investigar as causas do acidente. A previsão é que o inquérito fique pronto dentro de 30 dias, podendo ser prorrogado por mais 30.

  •  

Deixe uma Resposta