• Postado por Tiago

INTERNA_14_-base_autoescola-cordeiros_foto-felipe-vt

A autoescola Cordeiros não fez o serviço mas cobrou a taxa, diz leitor

O leitor Pedro Luiz Martins, 42 anos, tá revoltado com o preju que tomou da autoescola Cordeiros, que fica na avenida Reinaldo Schmithausen, em Itajaí. Ele conta que pagou a entrada da renovação da carteira de motorista, no valor de R$ 110, mas como tava demorando pro documento sair, decidiu cancelar o pedincho. Na hora de receber a bufunfa de volta, só lhe deram R$ 90. ?É um absurdo você pagar por um serviço que não foi feito?, reclama.

Pedro conta que sua carteira é modelo antigo e já estava vencida há cerca de dois anos. Como precisa dirigir, decidiu renovar. A entrada do pedido de regularização foi dada no começo do mês de fevereiro. Ele cansou de esperar pela vinda do documento e resolveu mandar a autoescola pros ares. ?Tavam só me enrolando, daí pedi pra cancelar tudo. Acabei me incomodando de novo?, diz. Pedro pediu seu dinheiro de volta e não lhe devolveram tudo o que pagou.

Pro leitor, a desculpa de que foi descontada a taxa de serviço não cola. ?Isso não existe. Que serviço eles me prestaram??, questiona.

Tá certo, diz Procon

Rosa Maria dos Santos, dona da autoescola Cordeiros, alega que o desconto de R$ 20 da devolução do dinheiro de Pedro é uma norma da empresa. A empresária diz que a tentativa de renovar a carteira do cliente foi feita, mas por problemas com o documento, não foi possível a atualização. ?Teve serviço de atendimento e a utilização de materiais. Por isso a cobrança de R$ 20?, esclarece Rosa.

Rodrigo Bucussi, procurador da Procon peixeira, disse que não há irregularidade na cobrança. ?Se fosse só um orçamento, não poderia ser cobrado, mas neste caso houve o empenho de uma funcionária. É a taxa de serviço?, falou.

  •  

Deixe uma Resposta