• Postado por Tiago

Piazada emparedou policiais com perguntas cabeludas

A bandidagem tá correndo pra bem longe do reforço de homisdalei que tão batendo ponto em Camboriú. Em um mês de trabalho da força-tarefa na capital da pedra, a polícia civil da Santa & Bela registrou uma queda no volume de ocorrências. No período não ocorreu nenhum assassinato. Também teve uma queda no número de roubo e apreensão de drogas. Os dados foram apresentados ontem pra comunidade no Caic do bairro Monte Alegre.

Desde que a força-tarefa se instalou no município, zerou o número de mortes na terrinha. Em agosto foram registrados 12 assassinatos em Camboriú. O delegado regional, Ademir Serafim, afirma que não entrou na estatística a morte de Luciano Zeferino, encontrado com um balaço na nuca na subida do morro do Inferninho, no dia 31 de agosto, três dias depois que iniciou a operação. ?Foi um rescaldo. A morte dele já estava encomendada?, afirma.

Desde o início dos trabalhos da força-tarefa, também rolou um decréscimo de 20,54% nos roubos e furtos registrados. No mês passado foram 112, enquanto este mês o número caiu pra 89. Pros policiais, a força-tarefa tem ajudado até a combater a malocada que atua em Balneário Camboriú, fazendo aumentar as apreensões de drogalhada. ?Muitos vêm morar aqui (Camboriú) pra vender drogas na beira da praia?, explica o delegado geral da polícia civil Maurício Eskudlark.

Com as blitzes e abordagens realizadas pelos policiais do reforço, rolaram 11 prisões de vagabundos, a apreensão de 14 quilos de maconha e mais de 580 gramas de crack. ?Diminuíram os índices de ocorrências por causa da presença da polícia. Procuramos atuar junto da comunidade com inteligência e consciência?, conta o inspetor da Central de Operações Policiais (COP) de Floripa, Edson Volpato Dutra, comandante da força-tarefa.

No blablablá a prefeita loirosa Luzia Coppi Mathias agradeceu aos policiais que sijuntaram pra combater a bandidagem, que levou às alturas os índices de violência na região. Camboriú tem título de recordista do estado no número de assassinatos, sendo registradas 74,9 mortes pra cada 100 mil habitantes.

Aproximação dos pequerruchos

A apresentação do relatório do primeiro mês de operação rolou no CAIC do bairro Monte Alegre. ?Nós queremos mostrar que somos aliados desse povo que é trabalhador e vítima dos vagabundos que estão infiltrados nesse meio?, lascou o delegado regional, Ademir Serafim. Umas 200 crianças com idade entre seis e 15 anos participaram da apresentação.

A gurizada lascou uma montoeira de perguntas apimentadas pros homisdalei responderem. Questionaram por que os tiras não prendem os traficantes que já sabem o nome e por que alguns policiais são acusados de agressão contra cidadãos de bem. ?Esses são profissionais desqualificados que serão investigados. Temos uma corregedoria pra isso?, respondeu o delegado chefão.

Pra professora do CAIC, Lisete Garrozi Pereira, a aproximação é essencial pra molecadinha. ?Eles precisam desse envolvimento, dessa resposta pro que eles veem no dia-a-dia?.

  •  

Deixe uma Resposta