• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PÁGINA-SETE-assassinado---Leivy-Nunes-do-Nascim

Leivy Nunes do Nascimento foi surpreendidos por dois motoqueiros

Não poderia acabar de outro jeito a vida de Leivy Nunes do Nascimento, 28 anos. O cara era conhecido pelo envolvimento em assaltos e tráfico de drogas, com uma turma barra pesada dos Cordeiros. Ele foi assassinado com um balaço certeiro na cabeça na madrugada de ontem, em um posto de gasosa do lado da Kubanacan. Leivy e uma guria tavam encostados no possante quando dois mequetrefes em uma motoca apareceram, atiraram e fugiram em seguida.

Policiais civis e militares pintaram no local, mas não acharam nem sombras dos matadores, muito menos da muié que tava com o cara. A equipe da central de Operações Policiais (COP) vai investigar quem mandou o cara pro além e se o assassinato foi um acerto de contas do mundo do crime.

Passava das quatro da manhã quando rolou a treta, na avenida Reinaldo Schimidthausen, do lado do bate-coxa Kubanacan. Bizolhudos contaram pros tiras que Leivy e uma mina tavam encostados no Celta, placa DMM 0287 (Itajaí), quando os matadores chegaram. A dupla tava montada numa cabrita 150 prata e não deu nem chance de defesa pro bandidão.

Os mequetrefes precisaram de só um balaço pra mandar a vítima pro além. O tirombaço atravessou a cachola dele, que caiu morto no pátio do posto. Os vermelinhos até foram no local, mas Leivy já tava mortinho.

Figurinha carimbada

Leivy tinha uma extensa ficha policial, com prisões desde assalto até desacato e volta e meia era notícia no DIARINHO, principalmente entre os anos de 2003 e 2004. O cara era chegado num malote e faturou, entre outros crimes, a grana da Tamoyo e da Farma Luciano.

O bandido também era acusado de tentar tirar a vida do dono da Farmácia Luciano, baleado na frente da Caixa Econômica, na rua Indaial. Além desses crimes, ele já foi em cana por participar de racha de moto em Navega e xingar policiais, que queriam acabar com a farra de uma turma em uma praça da city.

Leivy também foi braço direito de um traficante que fez história em Itajaí, Dione de Oliveira, que morreu num acidente de moto nos Cordeiros. Conhecidos contaram ao DIARINHO que agora Leivy estava tomando rumo e até tava trabalhando num estaleiro na Barra do Rio, em Itajaí.

  •  

Deixe uma Resposta