• Postado por Tiago

A desobediência dos servidores da Saúde à ordem judicial pra que retomassem imediatamente ao trabalho, após a greve ter sido considerada ilegal na semana passada, pode resultar em demissões e corte de dias parados. Orientada pela procuradoria Geral do Estado (Proge), a secretaria de Saúde já se agiliza pra contratação de pessoal. O desembargador Ricardo Roessler também aumentou de R$ 20 pra R$ 100 mil o valor da multa diária, caso a turma não volte pro batente. A greve ontem completou 10 dias.

“Se eles não retornarem, vamos fazer contratações temporárias. Precisamos garantir o atendimento e o restabelecimento de todos os serviços”, afirma Carmem Zanotto, secretária adjunta de Saúde. Carmem diz que a lei garante que os grevistas que descumprirem decisões judiciais podem ter o corte dos dias parados e também ganhar as contas.

A secretária garante ainda que a secretaria tem uma lista de profissionais pra contratação imediata. “Poderão ser contratados profissionais temporários que tenham formação e qualificação específica para cumprir as atividades. Vamos informar ao Ministério Público que a seleção feita para contratação temporária para apoiar a situação da H1N1 será a usada caso seja necessário”, conta.

Maior naba

Carmen lembrou que o atendimento nas unidades de saúde da Grande Floripa tá sendo realizado maliporcamente. As emergências tão trabalhando de forma precária e nos ambulatórios a coisa tá praticamente parada. “Quando os servidores reassumirem suas funções e voltarem a trabalhar, conforme o determinado pela justiça, a secretaria não vai se furtar de retomar as negociações sobre os reajustes salariais”, garante Carmen.

Os servidores querem 16% de aumento e melhores condições de trabalho. O SindSaúde convocou uma coletiva pra ontem no início da noite. Iria confirmar que vai recorrer das decisões da justa e conversar com os trabalhadores pra ver se eles vão voltar pro trampo.

  •  

Deixe uma Resposta