• Postado por Tiago

Bira e Ademir seguiram juntinhos pro cadeião

Durou 12 horas o julgamento dos dois acusados de terem feito um atentado à delegacia da Muié de Balneário Camboriú e ferido um policial civil, em maio do ano passado. Ubirajara Prudklig Tavares, o Bira, foi condenado a seis anos de jaula. Seu comparsa, Ademir Antunes, 25, ganhou três anos no regime aberto, mas como já tá preso por uma outra bronca, vai ficar engaiolado também.

Na madrugada de 18 de maio de 2009, Bira e Ademir entraram na delegacia e descarregaram seus berros por todo canto. O alvo era o tira Paulo César Fernando de Abreu, com quem Bira já tinha se estranhado em outras ocasiões.

O policial foi atingido nas costas, e só não passou dessa pra uma melhor porque se jogou no chão e rastejou pra fugir dos balaços. Ele demorou pra se recuperar, e hoje trampa em outra cidade da Santa & Bela.

Dois meses depois, os tiras da central de Investigações enjaularam Ademir pela participação no atentado. Bira, que tava siscapando desde o dia do crime, foi em cana no mês de agosto, durante uma operação da diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic).

A dupla sentou no banco dos réus às 13h de quarta-feira, e só saiu à 1h da madrugada de quinta. O julgamento chamou a atenção de uma renca de parentes dos acusados e curiosos, por isso a polícia Militar reforçou a segurança do salão do júri. Com a puliçada reunida, o povão foi obrigado a se comportar, e não foi registrado nenhum arranca-rabo durante o blablablá.

  •  

Deixe uma Resposta