• Postado por Tiago

Os brechós pessoais online, blogs usados para vender as roupas que os internautas já não querem mais, estão chegando com força total ao Brasil. Em países como a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, já existem centenas de brechós na internet, fazendo com que milhares de peças de roupas e acessórios de segunda-mão troquem de dono. No Brasil, a tendência começou a ganhar força nos últimos dois anos e hoje existem mais de cem brechós em operação na rede.

Daiane Cravo é uma das coordenadoras do saite Casa dos Brechós, um portal que reúne os destaques dos principais brechós online e recebe denúncias ou recomendações sobre a qualidade dos serviços desses saites. Através das pesquisas que fez para construir seu saite, Daiane descobriu que a moda pegou mesmo no Brasil no início de 2008. Se há alguns anos as brasileiras tinham certa resistência às roupas de segunda-mão e não costumavam comprar itens de vestuário pela internet, hoje elas estão cada vez mais sucumbindo ao desejo de encontrar uma pechincha.

Fora do Brasil, no entanto, onde os brechós já povoam a internet há alguns anos – e onde os efeitos da crise estão sendo sentidos mais fortemente – a tendência se fortaleceu por causa da necessidade de muitos profissionais de encontrar formas alternativas de ganhar dindim.

No Brasil, a técnica mais usada para promover as vendas ainda é o envio de e-mails avisando da chegada de novas peças no brechó. Muitos dos saites também aceitam fazer trocas, o que acabou criando uma comunidade entre as internautas.

A maioria das vendas é feita nesse ambiente de informalidade. Geralmente, a compradora interessada deixa um comentário no blog e paga pela peça com uma transferência bancária.

Mas, apesar dos esforços das “brechozeiras” dentro e fora do Brasil, por enquanto o brechó online ainda é uma forma de ganhar um dinheiro extra e abrir espaço no guarda-roupa para novas aquisições.

Em tempos de crise, a solução para a falta de dinheiro pode estar mais perto do que se imagina.

  •  

Deixe uma Resposta