• Postado por Tiago

INTERNA_16_abre-esquerda_morro-do-Bem-te-vi_foto-felipe-vt

Na ladeira do Bem-te-vi, povão tá aparavorado com a violência policial

Uma moradora do morro do Bem-te-vi, que fica atrás do cemitério da Fazenda, no Itajaí, procurou o DIARINHO apavorada com a atitude de alguns policiais que andam rondando o local atrás do traficante Alemão, que estaria vivendo por lá. ?Eles chegam armados, assustam todo mundo e ainda atiram?, contou a moradora M.S., 25 anos, que não quis se identificar com medo de represália.

Ela conta que há cerca de um mês o pessoal do grupo de resposta tática da PM (GRT) pinta por lá diariamente, de manhã e de tarde. A moradora diz que os brucutus sobem a escadaria e vão entrando à força em todas as casas, intimidando o povão com perguntas sobre o tal Alemão. ?No sábado passado, eles vieram e bateram num morador do morro. Chegaram a torturar o rapaz pra ver se ele sabia de alguma coisa e deixaram todo mundo apavorado?, completou M.S..

O DIARINHO subiu o morro do Bem-te-vi e conversou com outros moradores da ladeira, que confirmaram a denúncia de M.S. O aposentado A.B., 50, foi um deles. Disse que a violência dos policiais ali no morro é constante. ?Já vi a PM batendo em muita gente por aqui, até em criança. Onde não tem ninguém filmando, eles batem mesmo?, lascou.

A.B. afirma que é totalmente contra usuários e traficantes de drogas, mas que a violência generalizada não justifica. ?Tenho dois filhos no caminho errado da droga e sempre vou ser contra isso. Mas eles (os PMs) não podem chegar aqui e bater nas pessoas?, completou.

A maioria dos moradores prefere a lei do silêncio. São poucos os que têm coragem de falar. J.B., 24, disse que a visitinha dos policiais teria dado um tempo nos últimos dois dias. ?Eles tavam vindo todo dia mesmo, mas quando o tal Alemão foi embora, eles pararam de vir?, afirmou.

O sargento Márcio Guarésia, da corregedoria da Polícia Militar de Itajaí, disse que a recomendação que o departamento faz em todos os casos de violência cometida por policiais é que a pessoa registre um boletim de ocorrência na delegacia, pra que seja aberto um inquérito de investigação. Quanto ao caso de tortura e espancamento no morro do Bem-te-vi, ele afirmou que não tinha nada a informar e que o jornal deveria enviar um ofício ao comando da PM com o pedido de informações.

O código penal militar prevê penas severas pra policiais pegos descendo a lenha no povão sem mais nem menos. Os PMs podem ser presos no quartel e até perder a fardinha.

Onde denunciar a violência policial

Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Itajaí

Rua César Stamm, 666 ? 3346-4680

Promotoria de Justiça ? Ministério Público de Santa Catarina

Defesa dos Direitos Humanos, Cidadania e Fundações

Rua Uruguai, 222 ? 3341-9411

1º Batalhão de Polícia Militar de Itajaí

Rua Felipe Schmidt, 357 ? 3348-1302/190

Delegacia de Polícia

Avenida Joca Brandão, 440 – 3348-0123/ 3348-6000

  •  

Deixe uma Resposta