• Postado por Tiago

A redução dos horários dos busos, o não cumprimento do acordo coletivo e a possibilidade cada vez mais próxima da extinção dos cobradores mobilizaram o sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público da capital a informar ao Ministério Público do Trabalho que, a partir do dia 15, a categoria cruzará os braços por tempo indeterminado. “A mobilização é para demonstrar nossa indignação quanto ao descumprimento do acordo coletivo, quanto à redução dos horários e ao início da demissão dos cobradores. Ninguém parece estar disposto a negociar um transporte coletivo de qualidade para a cidade”, diz o assessor do sindicato, Ricardo Freitas.

A última mobilização dos trabalhadores rolou em novembro, quando eles pararam por duas horas o sistema por causa da demissão dos agentes da Zona Azul. Anteriormente, teve uma parada de quase uma semana e por causa do acordo coletivo de trabalho. “Eles não querem pagar a participação nos lucros que ficou acertada na convenção coletiva. As reuniões no MPT não resultaram em acordo. A participação tem que ser paga semestralmente e equivale a 5% dos salários dos trabalhadores”, explica.

O sindicato das Empresas de Transportes Urbanos manda avisar que só pode pagar 3% de participação nos lucros. Poderá pagar a mais se o sistema faturar mais, caso contrário, a turma vai ter que se conformar. O secretário de Transportes, João Batista Nunes, acredita que um acordo possa ser firmado com os trabalhadores até a data prometida pra greve pra que o povão não se rale bem nos dias que antecedem o Natal. “Seria um prejuízo muito grande para o comércio também”, avalia.

  •  

Deixe uma Resposta