• Postado por Tiago

INTERNA_13_meio-da-página--Wanderléia-Westarb-Ferreira_foto-olívia-palito

Wand erléia não concorda com a decisão da dona justa

?Não concordo com a decisão do juiz. Tem que haver alguma forma de eu ter o meu filho novamente?. O desabafo é da cabeleireira Wanderléia Westarb Ferreira, 36 anos. Em 2007, ela perdeu a guarda do seu pequeno, P.F., cinco anos, pros padrinhos da criança e até hoje não se conforma com a sentença. Wanderléia se diz uma mãe exemplar e acredita que a treta tenha sido sacanagem do seu ex-marido e dos pais adotivos do pequeno, com quem tem algumas broncas.

Desde janeiro deste ano, quando saiu a sentença favorável aos padrinhos, Wanderléia travou uma guerra diária pra reaver a guarda do seu filho caçula. Procurou advogados, entrou com pedido de reconsideração da sentença, mas até hoje não teve sucesso.

Pra piorar, os dois advogados que contratou pra ajudar com a bronca largaram a causa. ?Passei o último dia das mães triste. O meu menino mais velho tá até fazendo tratamento psicológico por ficar longe do irmão?, contou.

O processo foi parar no Supremo Tribunal de Justiça e corre em segredo de justiça.

Relembre

O caso de Wanderléia foi divulgado no DIARINHO de quatro de fevereiro. Ela acredita que os padrinhos da criança armaram de todas as formas pra enganar a dona justa e ficar com a guarda do seu menino. O pai da criança, seu ex-marido, teria interesse na sacanagem. ?Ele fez isso pra não ter que pagar pensão?, lascou. Quando a reportagem foi produzida, a madrasta do menino não quis falar com o DIARINHO.

  •  

Deixe uma Resposta