• Postado por Tiago

INTEERNA_13_abre-esquerda-silmara-_foto-luz-clarita

Pra garantir seu sustento e o da filha, Silmara até já cortou cabelos em uma praça

A cabeleireira Silmara Folquening é uma daquelas pessoas que não se dobram ao destino. Nos últimos meses, um turbilhão de acontecimentos mexeu ainda mais com a sua vida. Com 42 anos, desempregada e despejada da casa onde morava de aluguel, ela cuida sozinha da filha especial, Sabrina Madelaine, nove anos. Hoje, Silmara tenta se reerguer do único jeito digno que conhece. No dia 10, pegou um banquinho, levou seu material de cabeleireira e passou a tarde na praça perto do ferribote, em Navega. Ela não queria esmolas. Queria trabalhar.

Natural de Blumenau, em 2007 Silmara veio para Navegantes tentar a vida. Com dificuldades no tratamento da filha, voltou pra cidade dos alemães. Com a enchente de novembro, perdeu praticamente tudo e teve que sair da casa onde morava, que foi condenada pela defesa civil. Desesperada, resolveu tentar a vida novamente em Navega.

Em fevereiro, conseguiu emprego como instrutora de cabeleireira na secretaria de Bem Estar Social. Trabalhava meio período e ganhava R$ 345. Pela manhã, cuidava da filha. Ela se trata de três doenças graves: alcoolismo, depressão e transtorno bipolar. Conta que com as alunas do bem estar esquecia dos problemas.

Sua vida até estava melhorando. De repente, o dono do imóvel onde morava no bairro São Paulo a despejou pelo atraso no aluguel. A cabeleireira foi morar com a filha numa casinha alugada de outra cabeleireira, também no bairro São Paulo.

Pra piorar sua situação, no dia 29 de maio foi demitida sem aviso. Desesperada e desolada, Silmara procurou um lugar para dar aulas particulares, como nas igrejas CEI e católica do bairro São Paulo. Ninguém cedeu um espaço para ela trabalhar. Como não podia dar aulas na casa ao lado de outra cabeleireira, ela procurou um novo espaço. Hoje, está na Meia Praia.

A cabeleireira coleciona com orgulho sete diplomas de cursos na sua área de trabalho. Silmara procurou o DIARINHO não pra pedir ajuda, mas com orgulho de mãe, dizer que quer trabalhar para ganhar o próprio sustento e cuidar da filha. Ela dá aulas de cabeleireira e também atende em casa. Seu telefone é 9651-4966.

  •  

Deixe uma Resposta