• Postado por Tiago

CAPA-ABRE-DSC06854

Várias casas ficaram detonadas e a galera precisa de ajuda

O pessoal da defesa civil de Camboriú quer dar um gás na campanha de arrecadação de donativos lançada no início desta semana. Até agora, a galera recebeu apenas colchões, sofás e estantes, mas os móveis não são suficientes pra ajudar o povão que teve a casa detonada pela ventania de 20 de janeiro. O pessoal precisa de eletrodomésticos, como geladeira e fogão, pra doar ao povo que perdeu tudo.

A coordenadora da defesa civil de Camboriú, Carla Rosana Krug, afirma que as doações estão a todo o vapor, mas afirma que o povão precisa de mais. Pelas contas dela, cerca de 100 famílias tiveram suas moradias destelhadas e umas 40 perderam tudo o que tinham de eletrônico dentro de casa. Os eletrodométicos mais danificados foram geladeira e fogão, que são de maior necessidade. ?Não recebemos nada de eletro. Uma casa onde há crianças e uma família grande não pode se manter sem isso?, disse.

Como exemplo, Carla cita o caso da dona Maria Domingas. Moradora da rua São Luiz, no finzinho do bairro Cedros, ela teve a cozinha destruída por uma árvore que despencou. A queda das paredes danificou toda a estrutura da baiúca da pobrezinha, que teve que simandar do lar-doce-lar com outros cinco filhos pequenos. Nos próximos dias, a defesa civil deverá ajudar a reconstruir a casinha da muié, mas pra isso precisa de doações de materiais de construção e da mobília novinha.

Além disso, a galera também precisa de pias e mesas. ?Numa casa que não tem pia, os talheres ficam em cima da mesa e uma criança pode provocar um acidente?, cita Carla.

A campanha já arrecadou sofá e estantes, mas os recordistas são os colchões. Foram 25 peças doadas pela defesa civil de Itajaí e mais 12 pela comunidade. ?A defesa civil do estado me autorizou a comprar mais 80, que eles vão pagar?, acrescentou.

A defesa civil aceita como doação até equipamentos usados e velhinhos, desde que estejam funcionando. Quem quiser fazer a boa ação pode dar um pulo na defesa civil, na rua Hercílio Zuchi, nos fundos do ginásio do centro, ou ligar pro 3365-1311.

O estrago

No dia 20 de janeiro, uma chuvarada atingiu a região e uma ventania braba passou com tudo pela Capital do Mármore. Umas 100 casas ficaram destelhadas, principalmente dos bairros Santa Regina, Cedros e Centro. A galera da defesa civil ainda aguarda o laudo da Epagri/Ciram, que irá apontar qual foi o fenômeno climático que passou por aqui. Eles desconfiam que possa ter sido um ciclone extratropical, que traz muita tempestade e fortes ventos.

  •  

Deixe uma Resposta