• Postado por Tiago

INTERNA_11_abre_guido-mantega-ipi_agência-brasil

O ministro Guido Mantega, da Fazenda, foi o escolhido por Lula pra dar a boa notícia

O ministro Guido Mantega, da Fazenda, deu ontem uma boa notícia pro povão brasileiro: a isenção do imposto sobre produtos industrializados (IPI) vai continuar por mais um tempo. Para alguns produtos, a barbada será até ao final do ano. Para outros, a prorrogação da suspensão da cobrança do imposto é de apenas três meses.

Pros carangos, a isenção fica até setembro. Depois, volta devagarin, devagarin, promete o ministro. Ele só não disse de que forma vai voltar a cobrança. Pros caminhões, a suspensão do IPI fica até 31 de dezembro.

Até 31 de outubro tão isentos os eletrodomésticos da chamada linha branca: fogões, máquinas de lavar e geladeira.

No setor de fabricação de motocas, o governo também jogou pra final de setembro o fim da desoneração do recolhimento do PIS (Programa de Integração Social) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Mas, nesse caso, vai depender dos empregos que a patrãozada mantiver. Se houver demissões, o governo passa a cobrar o PIS e o Cofins novamente.

Na construção civil, fica valendo a suspensão do IPI por seis meses.

A suspensão do PIS e do Cofins também fica valendo pro trigo, pra farinha de trigo e pra fabricação do pãozinho francês. A mamata tem validade por 18 meses.

A intenção do governo

A isenção do IPI começou em dezembro do ano passado. A intenção do governo era manter girando a roda da economia interna e diminuir ao máximo os efeitos da crise econômica internacional.

A medida fez com que os produtos da indústria fossem repassados ao comércio a preços menores, possibilitando que o povão comprasse produtos ligados às indústrias que mais empregam, como a automotiva e a de fabricação de eletrodomésticos da linha branca. O resultado é simples, mas eficiente: os níveis de emprego se mantiveram no Brasil, o dinheiro girou na praça e a população melhorou sua qualidade de vida, comprando bens de consumo básico.

De olho nos juros

Guido Mantega também disse que hoje o Conselho Monetário Nacional decide a redução da taxa de juros de longo prazo (TJLP). É possível que a taxa recue de 6,25% para 6,% ao ano. A TJLP é usada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos empréstimos pras empresas.

Pra deixar os empresários com o sorriso ainda mais largo, o ministro da Fazenda também anunciou a criação de dois fundos garantidores de crédito. Um para a compra de máquinas e equipamentos para a indústria e outro para pequenas e médias empresas. Os dois fundos serão administrados pelo BNDES e pelo Banco do Brasil e o governo vai disponibilizar R$ 4 bilhões pros papagaios. Os empréstimos poderão financiar até 80% da operação pretendida pelo empresário.

A Caixa Econômica Federal também vai entrar na roda. A instituição vai botar à disposição dos pequenos e médios empresários R$ 22 bilhões.

Veja quanto é a isenção do IPI

Carangos com até mil cilindradas ficam ficam isentos da alíquota de 7% do IPI. Os carros até duas mil cilindradas, pagam hoje 6,5% do imposto se forem movidos à gasosa ou 5,5% se forem a álcool ou flex. Antes, o IPI sobre os carangos até duas mil cilindradas era de 13% (gasolina) e 11% (álcool). Já os possantes acima de duas mil, não tiveram a mamata da redução do IPI. Nas picapes de até mil cilindradas, a queda foi de 8% para 1%, independente do tipo de combustível

Pras geladeiras, o IPI é só de 5%. Até março deste ano, era de 15%. Pras máquinas de lavar, que antes pagavam 20% de IPI, é de 10%. Pro tanquinho, a alíquota do IPI passou de 10% para zero.

  •  

Deixe uma Resposta