• Postado por Tiago

Eugênio Krause: um homem que não se repete

Quando ele chegou em 1948, Penha era um distrito de Itajaí, sem energia elétrica, sem água encanada, as embarcações de pesca não eram motorizadas. Mesmo assim, ele decidiu abrir uma fábrica de conservas beneficiando camarão sete-barbas, cuja produção era abundante na região. Usando sistema de energia através de geradores próprios movidos a motor diesel, ele conseguiu seu primeiro objetivo. Mas tudo ainda estava por fazer para que pudesse realmente progredir, principalmente o lugar, que não dispunha da mínima infraestrutura para crescer. Como meio de aumentar a produção pesqueira, procurou a Metalúrgica Stol em Joinville e lá, junto com os técnicos, foi elaborado um motor a gasolina, com baixo custo, para ser adaptado nas embarcações pesqueiras. A ideia prosperou e logo centenas de canoas e lanchas foram motorizadas ao longo da costa catarinense. O efeito repercutiu e a produção pesqueira multiplicou-se – tanto que em 1957 a fábrica de conservas transformou-se na Cia. de Pesca Krause. Um ano depois, o distrito de Penha passa a município. Eugênio Krause, sempre presente nos acontecimentos do lugar. Foi muito influente na vinda da energia elétrica para a região. Vereador na segunda legislatura de Penha. Fundador da Sociedade Amigos de Penha. Também fundador do Rotary Club, em conjunto com Piçarras. Já bastante integrado à vida social e política, a 3 de outubro de 1972 foi eleito prefeito municipal. Aí sim, decidiu fazer um município a seu modo. Antes das sete da manhã, aparecia na casa de qualquer amigo pra tomar um cafezinho e buscar apoio para seus planos. O mais arrojado, a abertura da avenida que, honradamente, ganhou seu nome. Seis quilômetros e pouco, ligando o centro de Penha a Armação em paralelo com a avenida Itapocorói. Mais de 60 transversais interligam as duas avenidas e avançam para o interior buscando outros extremos. Ao mesmo tempo, resolveu o problema do caminho do Estivado fazendo um acesso firme que entronca com a estrada geral de Santa Lídia. Com todas essas realizações, ele transformou o município e deu um forte impulso para o progresso.

Se hoje ele pudesse dar uma olhadinha na avenida que tanto lhe custou para fazer, veria que ali está o centro comercial de Penha, numa extensão que poucas cidades grandes têm.

Eugênio Krause governou o município pouco mais de dois anos, pois findou seus dias logo depois da metade do mandato.

Ah, se ele pudesse voltar para ver como está a cidade que ele ajudou a construir e planejou seu destino… Quanto lutou pelo seu povo! Quanto lamentava por não poder fazer mais do que podia! Um exemplo de pessoa, um amigo, um conselheiro. Eugênio Krause – um homem que não se repete.

  •  

Deixe uma Resposta