• 03 ago 2009
  • Postado por Tiago

“Estão tentando cassar pessoas por asfixiamento”

Presidente Lula, sobre o caso do presidente do Senado, José Sarney

Fim do sigilo: BC já monitora todas as contas

Está implementado pelo Banco Central, sem alarde, o Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS), software que monitora todas as contas bancárias do Brasil. Ironicamente, o sistema é apelidado de “HAL”, o supercomputador assassino do clássico filme “2001: Odisséia no Espaço”, e facilita o acesso do Judiciário, CPIs, Coaf e “outras autoridades”, segundo o BC, a dados financeiros sigilosos.

Rapidez

Pedidos de quebra de sigilo bancário demoravam meses para obter resposta, mas, com o HAL, o levantamento pode ser feito em minutos.

Big Brother

A ideia do cadastro das contas correntes foi uma sugestão da CPI do Narcotráfico, materializada em Lei, e alegremente adotada pelo BC.

Acesso

Tanto o Conselho Nacional de Justiça quanto o Superior Tribunal de Justiça têm convênios para utilizar HAL, o supercomputador do BC.

Sem valor

O Banco Central avisa que o sistema foi criado para “guardar as informações dos detentores das contas e não dos valores depositados”.

Tarso quer fazer o substituto na Justiça

O ministro Tarso Genro (Justiça) está de saída, mas luta para manter no cargo um representante de sua facção “Mensagem ao Partido”, uma das 17 do PT: o deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP). Para valorizar a pretensão, Cardozo se lançou candidato à presidência do partido, desafiando José Eduardo Dutra (SE), ligado a Lula. Convidado a ser ministro da Justiça, ele sairá da disputa, claro. Ninguém é de ferro.

Corrida do ouro

A um ano do fim do mandato na Previ, bilionário fundo de pensão Banco do Brasil, petistas brigam pelo lugar de Sérgio Rosa, atual presidente.

Luz amarela

Sinal de desaquecimento da economia: o Brasil deve fechar o ano com uma retração entre 0,5% e 1% na demanda por energia elétrica.

Navalha na carne

Alarmado com a queda brutal no superávit primário, o governo estuda cortes de gastos para garantir a meta de 2,5% do PIB este ano.

Compras em NY

Se o dólar chegar ao final do ano a R$ 1,80 como indica, será ainda mais vantajoso fazer as compras de fim de ano em Nova York ou na Europa. Hoje, o diferencial dá para pagar a passagem e talvez sobre algum.

O dilema do coronel

É forte a pressão do tucanato para o coronel Tasso Jereissati disputar o governo do Ceará, garantindo palanque para a corrida de José Serra ao Planalto. Mas Tasso não suporta o governador. E é correspondido.

Minoria absoluta

Apesar das denúncias contra José Sarney, DEM e PSDB ocupam apenas cinco das quinze vagas do Conselho de Ética do Senado. Do lado da base aliada, o PMDB sozinho ocupa quatro vagas.

Brilho brasileiro

Um especialista brasileiro em comunicação, Israel Scanavez, trabalha na modernização da Rádio e Televisão de Cabo Verde, país africano de expressão portuguesa. Ele dirige a Brilha, empresa sediada em Lisboa.

Apartheid de FHC…

O ex-presidente FHC enviou projeto ao Congresso condicionando a concessão de liminar em mandato de segurança ao depósito do valor da questão. O objetivo era evitar liminares contra o governo, mas criou um apartheid no Judiciário, restringindo sentenças a quem pode pagar.

…na mesa de Lula

O tempo passou, o projeto criando o apartheid no Judiciário foi aprovado pelo Congresso e aguarda sanção o presidente Lula. Curiosamente, a elaboração da minuta do projeto foi atribuída ao então Advogado-Geral da União Gilmar Mendes, hoje presidente do Supremo Tribunal Federal.

Velha modernidade

O Ministério da Fazenda poupa papel e tostões obrigando pensionistas idosos a conhecer informática, ter computador e e-mail cadastrado para receber o contracheque, alguns atrasados há quatro meses.

Confiar, desconfiando

Aposentados da Varig desconfiam de “jeitinho” no acordo do governo, semana que vem, com o fundo Aerus, negociado pela neoanistiada política Graziela Baggio, presidente do Sindicato dos Aeronautas.

Pânico na TV

Horror garantido e seu dinheiro não volta: o Conselho de Ética do Senado reúne-se dia 4 de agosto, ao vivo e em cores na tevê.

PODER SEM PUDOR

Esforço de reportagem

Após a primeira eleição, em 1994, FHC viajou à Europa. Nas ruas de Praga, certo dia, ele reclamou do frio. Um repórter propôs: “troco minha gabardine pelo nome de um ministro”. FH sorriu. No dia seguinte, a cena se repetiu. “Meu guarda-chuva por um ministro”, insistiu o repórter. FHC apresentou uma contraproposta: “só se você segurar o guarda-chuva em posição de servo”. O jornalista topou, mas o ex-presidente deu uma risada:

– Nada feito. Sou contra a servidão!

  •  

Deixe uma Resposta