• 17 ago 2009
  • Postado por Tiago

“O ministro Tarso Genro é na verdade o ‘sinistro da Justiça’”

Líder tucano, José Aníbal (SP), criticando a ação do ministro no caso Yeda Crusius

Brasil pagará € 4 bilhões a mais por submarinos

Não adiantam choro, nem vela: a decisão é sigilosa, mas o governo já fez opção pela proposta da França. Vai comprar 36 aviões caça para a FAB e, para a Marinha, quatro submarinos convencionais e a obra da Base Naval para construir um submarino nuclear de grande porte. O problema são os custos: só na Marinha, a proposta francesa é de 6,7 bilhões de euros, 4 bilhões mais cara do que a alemã, de € 2,6 bilhões.

O tamanho do lucro

A diferença de € 4 bilhões que o País pagará à França corresponde ao custo do estaleiro, da Base Naval e de pessoal do submarino nuclear.

Negócio fechado

O negócio entre o Brasil e a França poderá ser anunciado durante a visita do presidente Nicolas Sarkozy, em 7 de setembro.

Munição de guerra

Além de submarinos, a França venderá € 30 milhões em torpedos. E o Brasil pagará 450 milhões de euros pela transferência de tecnologia.

Convencimento

Aprovada pelo Alto Almirantado na Marinha, a oferta alemã (consórcio HDW/MFI) perdeu para a francesa (consórcio DCNS/Odebrecht).

Especialistas concordam em ‘segurar’ o Tamiflu

Os especialistas em geral apoiam a decisão do ministro José Gomes Temporão (Saúde), respeitado médico sanitarista, de impedir a vulgarização do Tamiflu, evitando que o vírus desenvolva resistência ao remédio. Quem discorda acaba ajudando na estratégia do ministro: o médico Edmilson Migowski, voz isolada pela distribuição do remédio sem freios, tem sido associado a laboratórios, como se vê na internet.

Consultor

Palestrante em cursos dos laboratórios Novartis e Glaxo, dr. Edmilson Migowski tem recomendado remédios contra catapora, rotavirus etc.

Liberdade no gás

O Brasil vem deixando de ser refém do gás boliviano. A Petrobras está importando o produto de Trinidad y Tobago, a preço menor.

Perda no café

País rico é o Brasil. Para evitar queda no preço do café, o governo vai torrar R$ 1 bilhão para tirar do mercado 10 milhões de sacas de 60 kg.

Campeões de véspera

Com a provável saída de Antônio Palocci e José Eduardo Cardozo da disputa, os campeões de votos do PT para a Câmara, devem ser a ex-prefeita Marta Suplicy e João Paulo Cunha, ex-presidente da Casa.

Autorização

Antes da viagem que fez ao Recife, o governador de Minas e presidenciável Aécio Neves telefonou ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Gaiato, perguntou: “O Lula deixa você me receber?”

Réu confesso

O senador Aloizio Mercadante (SP), voz quase isolada contra José Sarney no PT, também defende a reabertura do caso do tucano Arthur Virgílio (AM) no Conselho de Ética, por ser ele um “réu confesso”.

Tô fora

Primeiro suplente do senador Jayme Campos (MT), que se licenciou por 120 dias, o diretor-geral do DNIT, Luiz Antônio Pagot, declinou do direito à cadeira. Assumiu Osvaldo Sobrinho, segundo suplente.

Prazo eleitoral

O diretor geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), Elias Fernandes, se prepara para deixar o órgão. Irá concorrer a um mandato de deputado estadual pelo Rio Grande do Norte.

No gogó

A cantora Dhi Ribeiro, que acaba de lançar um cd, vai quinta-feira (20) à quadra da Beija-Flor de Nilópolis, onde nasceu, para defender um dos sambas-enredo de Brasília classificados para a disputa, no Rio.

Está difícil

Ciro Gomes (PSB-CE) recuou da disputa pelo governo paulista após ler pesquisas, nas quais diz não acreditar, apontando a liderança do tucano Geraldo Alckmin com até 63% das intenções de voto.

Com a igreja e a polícia

A candidatura da senadora Marina Silva ao Palácio do Planalto pelo PV conta com as rezas do religioso Frei Betto e do teólogo Leonardo Boff, amigões de Lula, e do delegado da PF, Protógenes Queiroz.

Te conheço?

A oposição quer colocar frente a frente a ministra Dilma e a ex-secretária da Receita, Lina Vieira. Dilma prefere vê-la pelas costas.

PODER SEM PUDOR

Amigos, amigos…

O então senador Sérgio Cabral (PMDB-RJ) encontrou o coronel e senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e revolveu fazer uma gozação que acabou em amigável troca farpas:

– Você esteve na reunião de prefeitos em Fortaleza?

A reunião era do prefeito de Fortaleza, Juracy Magalhães, inimigo de Tasso:

– Não, não estive. E você, esteve na filiação de Garotinho ao PMDB?

– Não, também não fui… – respondeu Sérgio, sorrindo, para depois propor o cessar-fogo – Mas Tasso, é melhor continuarmos amigos!

  •  

Deixe uma Resposta