• 14 set 2009
  • Postado por Tiago

“Para gastar bilhões de dólares, precisa justificar”

Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) que quer uma CPI para investigar a compra dos caças franceses

Lina Vieira causou irritação ao vigiar jatinhos

O governo Lula ainda não sabe como cancelar, com discrição, uma invenção da ex-secretária da Receita Federal Lina Vieira que provocou muitas reclamações de lobistas, empresários, corruptores e políticos: quem sai ou chega a Brasília em jatinho agora é obrigado a utilizar o Terminal 2 do aeroporto, passando – com suas malas – pelo raio-x, câmeras de segurança e agentes da Receita e da Policia Federal.

Malas discretas

Antes de Lina Vieira, passageiros de jatinhos e malas recheadas de dinheiro passavam, discretamente, só nos hangares de táxi aéreo.

‘Coação’ chic

Agora, passageiro de jatinho é conduzido em Brasília é recolhido em uma van da Infraero e levado ao Terminal 2 do aeroporto.

Explicando a trapalhada

Nelson Jobim (Defesa) tenta explicar na Comissão de Relações Exteriores do Senado a preferência pelos caças Rafale, que nenhum outro país quis.

Nossa grana

A Presidência da República vai gastar quase R$ 55 mil para realizar “manutenção e corrigir” erros do sistema de rede de seus computadores.

Deu trabalho a Petrobras se livrar de Carabobo

O semi-ditador venezuelano Hugo Chávez condicionava a presença da PDVSA na refinaria de Abreu e Lima (PE) a investimentos da Petrobras no poço de Carabobo, garantindo até contrato de exploração sem licitação. Mas a Petrobras recusou: o petróleo de Carabobo é ruim, muito pesado e caro. E espantou Chávez ao exigir abertura de licitação – não em nome da lisura, mas porque participaria dela para perder.

Muito bobinho

A Venezuela queria receber sua parte de Abreu e Lima em derivados de petróleo, e o direito de vendê-los no mercado brasileiro. Ouviu “não”.

Inativos em férias

O Tribunal de Justiça da Bahia foi multado em R$ 4 mil pelo Tribunal de Contas porque estava pagando férias a desembargadores aposentados.

Tem remédio

O presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Dirceu Raposo, fala amanhã (15) sobre as novas bulas dos remédios, em São Paulo.

Leite no café

O governador Aécio Neves inaugura nesta segunda um escritório da “Casa de Minas Gerais” em São Paulo, para “ajudar” empresas mineiras no Estado. E dar força a certo postulante ao Planalto, claro.

Pensando naquilo

No II Encontro Nacional sobre Legislação Esportivo-Trabalhista, em Brasília, dia 20 de agosto, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ao saudar os participantes, acabou chutando uma bola quadrada: “Vocês, que conhecem o dinheiro esportivo… desculpem, direito esportivo…”

Na escada da forca

Três governadores serão julgados e podem ser cassados ainda este ano pelo Tribunal Superior Eleitoral: Ivo Cassol (Rondônia), José Anchieta Jr. (Roraima) e Marcelo Deda (Sergipe).

O ‘gato’ lambeu

Foi bom enquanto durou: só restam o adesivo de alerta e os suportes para o gel anticéptico que a Câmara comprou às pressas, no auge da gripe suína. O gel evaporou junto com o nosso dinheiro gasto nele.

Roraima em último

O presidente Lula leva Dilma Rousseff a tiracolo, na visita que nesta segunda-feira faz a Roraima, feudo do senador Romero Jucá. Ele não deu ouvidos a advertências sobre ela estar debilitada pelo tratamento.

Bala de canhão

Inicialmente previsto para custar US$ 9 bilhões, o trem-bala que ligará o Rio a São Paulo já está orçado em US$ 18,8 bilhões, segundo o BNDES, que financiará 70% da obra. Se andar nos trilhos na mesma velocidade que cresce o orçamento, será mais veloz do que a luz.

Na maior água

Não é de hoje que São Paulo sofre com a chuva e a sujeira das ruas: em 1986, memorando do então prefeito Jânio Quadros ameaçava não renovar contratos das empresas de limpeza pública na “cidade imunda”.

Pizzaria Brasília

Presidente do Senac do Distrito Federal, o senador Adelmir Santana (DEM-DR) promove nesta terça o lançamento do livro “Em Busca da Pizza Perfeita”. Nada a ver com a “pizzaria Senado”, mas com a Pizzaria Baco, que completa dez anos em Brasília.

Pensando bem…

…um dia é do caça, outro do vendedor.

PODER SEM PUDOR

Alô, mamãe, escapei

Em meados de 1990, o Congresso vivia dias tumultuados, discutindo a Lei de Diretrizes Orçamentárias, e poucos conseguiam usar os microfones. O deputado Ronaldo Cezar Coelho (RJ), em geral elegante, arrancou o microfone das mãos de um colega para uma estranha comunicação:

– Senhor presidente, gostaria de comunicar que estou vivo.

Ninguém entendeu. Mas ele queria avisar à família que estava bem, depois que o avião que o levaria a Brasília sofreu pane e o piloto teve de fazer um pouso de emergência. Algumas rádios chegaram a noticiar a sua morte.

  •  

Deixe uma Resposta