• 26 out 2009
  • Postado por Tiago

Governo usa fiscalização para derrubar preços

O presidente Lula ficou uma arara com o levantamento da Agência Nacional do Petróleo indicando aumentos abusivos nos preços dos combustíveis e especialmente do gás de cozinha, que ficou 12% mais caro em apenas em um ano. A reação vem aí: a ANP vai endurecer na fiscalização, atormentando a Petrobras, distribuidores e postos de combustíveis até diminuir a ganância sem sentido desses setores.

Operação padrão

A Agência Nacional do Petróleo vai adotar o que os técnicos chamam de “operação padrão”, sem negligenciar um só item de fiscalização.

Cartel ativo

No DF, os combustíveis aumentaram três vezes em quarenta dias. Mas o governo não cogita retomar o controle de preços.

Novembro legal

Dia 4 começa o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal. Dia 20, em Campo Grande (MS), o de Fernandinho Beira-Mar.

Prazo final

Após pedir um mês de prorrogação do prazo para a entrega do relatório final, a CPI da Conta de Luz realiza sua última sessão na quinta (29).

Municípios de RJ e SP resistem ao trem-bala

O governo federal anunciou para o início de 2010 a publicação do edital para a obra do trem-bala Rio-São Paulo-Campinas, mas municípios menores, que estão no percurso, resistem a esse projeto que deve nos custar R$ 34,6 bilhões. É que o trem-bala cruzará áreas de proteção ambiental como a Concha do Banhado em São José dos Campos e áreas habitadas, desalojando cerca de mil famílias do interior.

Trem-soluço

Pindamonhagaba (SP) e Resende (RJ) argumentam que o trem só vale a pena se parar nas cidades, perdendo a tal velocidade de “bala”.

Cada vez mais difícil

O prefeito de Campinas propôs 14 emendas ao projeto do trem-bala. Incluiu na conta a construção de túneis, estacionamentos e edifícios.

Nem pensar

A prefeitura de Itupeva (SP) alegou à Agência Nacional de Transportes Terrestres que impactos ambiental e urbano “inviabilizam” o trem-bala.

Vereadores arrependidos…

Líderes do movimento de vereadores arrependem-se do fuzuê que fizeram no Congresso, sobre a emenda que criou mais de sete mil vagas em todo o país. O caso está nas mãos do STF, que julga o caso nesta quinta.

… da farra e zona

Os vereadores reconhecem que passaram uma imagem de farristas e deixaram em segundo plano o fato de o Congresso haver obrigado as Câmaras a reduzir custos, e não a aumentá-los para abrigar salários.

Os ‘santos’ do ABC

Pode ter ligação com políticos e empresários de São Bernardo, Grande ABC, a investigação do Ministério Público de quadrilha de falsificadores, com “laranjas” e firmas-fantasmas, descoberta no início do mês.

Longe, bem longe

O ministério da Justiça mandou dois representantes para estudar, por uma semana, como implementar as ações do Programa de Segurança com Cidadania… no Haiti. Vai dar um trabalhão danado.

Afano será devolvido

Nelson Hubner, presidente da Agência Nacional de Energia Elétrica, vai à Câmara dizer como pretende devolver os R$ 7 bilhões que a Aneel fez os brasileiros pagar a mais, em suas contas, segundo o TCU.

Mais um

O Tribunal Superior Eleitoral examina o pedido de registro do Partido do Abrigo das Ideias (PAI). Reúne desenvolvimentistas, organizadores de atividades educativas, criativas e quanto mais malucos houver.

Sinais exteriores

Um dos principais “operadores” do governo petista da Bahia recebeu ordens para ser mais discreto: ex-funcionário da Justiça, de modestos salários, ele constrói uma big mansão no condomínio de luxo Alphaville.

É coisa nossa

As toalhas de puro algodão egípcio de Lula na Granja do Torto poderiam ser substituídas pelo nosso algodão: o Brasil conhece tanto o fio, que vai transferir tecnologia para salvar a fabricação em cinco países da África.

Direto ao assunto

Lula para Papa Luís Inácio 51.

PODER SEM PUDOR

Só ao telefone

Benedito Valadares era senador, nos anos 70, e mantinha a aversão a jornalistas adquirida nos tempos de interventor em Minas. Mas, em Brasília, repórteres não costumam ter medo de cara feia e o seguiram pelo Senado até que ele parou numa cabine e fingiu telefonar a alguém. Os repórteres perceberam a farsa e começaram a fazer perguntas. Ele se irritou:

– Não veem que estou falando com o Carvalho Pinto em São Paulo?!

– Mas o senador Carvalho Pinto está ali do lado! – informou um repórter.

– É que eu só falo com ele ao telefone! – gritou, retomando a “conversa”.

  •  

Deixe uma Resposta