• 05 nov 2009
  • Postado por Tiago

“Foi ordem do [Palácio do] Planalto”

Mário Couto (PSDB-PA), sobre o adiamento da votação do aumento dos aposentados

Cartões: TCU impedido de checar comprovantes

Os auditores do Tribunal de Contas da União não têm como comprovar a idoneidade ou legalidade das notas fiscais que servem de comprovantes de despesas pagas com os cartões corporativos no governo federal. É que falta uma lei que determine a quebra de sigilo fiscal de fornecedores de bens e serviços ao governo. Desse modo, o Tribunal de Contas não tem como verificar se nota é “fria” ou “calçada”.

Berço esplêndido

Projeto do senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), que quebra o sigilo dos cartões corporativos, dormita há cinco anos no Senado.

Livres para fraudar

O presidente do Tribunal de Contas da União, ministro Ubiratan Aguiar, lamenta: “Infelizmente, os auditores estão impedidos”.

Boca maldita

Se têm mães os deputados contrários ao aumento para aposentados acima do mínimo, elas estarão para sempre em todas as bocas.

Alerta na fronteira

O governo venezuelano informou ao Ministério da Saúde do Brasil que mais de mil índios yanomami estão com influenza h1n1, a gripe suína.

Na Bahia, prioridade do governo é propaganda

Alvo da ironia dos baianos, no vídeo do YouTube “Quero morar na propaganda do governo da Bahia”, o governador Jaques Wagner (PT) é acusado de investir mais na imagem do que em setores essenciais. A Execução das Despesas Orçamentárias, em poder da coluna, revela que em 2009 Wagner investiu apenas R$ 13 milhões em segurança e R$ 45 milhões em Educação, e torrou R$ 53 milhões em propaganda.

Expedição

Expedito não foi só o senador que, cassado, correu à Justiça para garantir seu lugar. Foi também o Senado que correu para mantê-lo.

Esperança nos trilhos

Pai do dono da cia. aérea Azul, o jornalista Gary Neeleman quer mobilizar o Brasil e os EUA a recuperar a extinta estrada de ferro Madeira-Mamoré.

Ufopa

Deve ser sancionado pelo presidente Lula nesta quinta-feira o projeto que cria a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa).

Carapuça

Lula, “o cara” que não gosta de políticos “duas caras”, terá que usar as suas, até o final do mês: semana que vem chega o presidente de Israel e Nobel da Paz Shimon Peres. Dia 23, Ahmadinejad, porralouca do Irã.

CPI da Caixa Preta

Celso Russomano (PP-SP) recolhe assinaturas para a CPI dos Cartões de Crédito. À parte as reais intenções do deputado, pode ser a chance de ouro para abrir a caixa preta dos cartões corporativos do governo.

Que coisa feia…

O prêmio Chatham House, que Lula recebe nesta quinta em Londres, é patrocinado por três estatais brasileiras (Banco do Brasil, Petrobras e BNDES) e empresas e bancos com interesses no governo brasileiro.

E o palhaço, quem é?

Especialistas na “mágica” de esconder dólares em cuecas, os petistas agora dão cano nos palhaços. O prefeito Alices Rolim, de Belfort Roxo, deve R$ 8 mil a um circo na cidade da Baixada Fluminense.

Telhado de vidro

Cinco servidores da Infraero vão conhecer dos dias 15 a 21 o projeto da TAM “Move under one roof” nos aeroportos de Frankfurt (Alemanha) e Heathrow (Londres). “Importantíssimo”, claro, e às nossas custas.

Presídio federal vaza

Uma comissão da Câmara dos Deputados não viu, mas a ONG Brasil Verdade documentou: o teto do presídio federal de Campo Grande (MS), que abriga os principais chefões do narcotráfico, tem infiltrações e ralos entupidos, ameaçando equipamentos de segurança caríssimos.

Fugindo do Senado

Em 14 de novembro, o PMDB de Rondônia anuncia seu candidato a governador. O mais cotado é o senador Valdir Raupp, mas que pode abrir mão da candidatura para sua mulher, deputada Marinha Raupp.

Impasse no MS

O senador Delcídio Amaral (PT-MS) planeja levar Dilma Rousseff ao estado, em dezembro, para desfilar com ele e Zeca do PT. Mas André Pucinelli (PMDB), o governador arqui-inimigo, também quer.

Pensando bem…

…o problema do novo Código Florestal se divide entre quem fica com o mato e quem fica com o cachorro.

PODER SEM PUDOR
Causa própria

Em visita ao Congresso, o então presidente do Supremo Tribunal Federal, Maurício Correia, de 70 anos, foi indagado sobre o fato de a Previdência ser obrigada a conceder automaticamente o reajuste a que os aposentados têm direito, para evitar as filas nos tribunais. Não chegou a responder. Foi interrompido pelo bom humor do presidente do Senado, José Sarney, que tinha 72 anos à época:

– Se falarmos sobre esse assunto, estaremos legislando em causa própria…

  •  

Deixe uma Resposta