• 22 nov 2009
  • Postado por Tiago

“O apagão foi um sinal de que muito precisa ser feito”

Líder tucano Arthur Virgílio (AM), criticando a falta de investimentos do governo

Lula torcia que o STF o obrigasse a extraditar

O presidente Lula está confuso em relação ao caso Cesare Battisti. Ele contou a um amigo haver recebido a garantia do Supremo Tribunal Federal de que a “bomba” não seria colocada em seu colo. Era o que queria, para dar uma satisfação a radicais ligados ao PT do ministro Tarso Genro (Justiça). Um advogado levou a ele o recado do STF: haveria a “vinculação” da sentença à obrigatoriedade em cumpri-la.

Estava decidido

Na Itália, Lula disse que cumpriria a decisão do STF. Era a senha para que o STF decretasse a vinculação. Mas a malandragem prevaleceu.

A jogada

Com sua decisão, o STF se livrou do ônus de extraditar o bandidão e devolveu a Lula o problema criado pelo seu ministro da Justiça.

Plano B

Escanteado pelo governador Cid Gomes (PSB), o PT do Ceará ameaça apoiar a candidatura de Roberto Pessoa (PR) ao governo do Estado.

Enrolação

A menos de um mês do recesso parlamentar o principal assunto no Congresso Nacional continua sendo a exploração do pré-sal.

Estilo rude de Dilma preocupa partidários

O afastamento sumário de um técnico da Infraero mostra o estilo rude da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), que tanto preocupa o PT, quando lida com subordinados. Mário Brio, servidor da estatal, integrava o grupo que estuda ações com vistas à Copa do Mundo de 2014. “Rainha do Power Point”, programa de computador preferido de palestrantes, Dilma detestou a exposição do funcionário, e o fulminou.

Escreveu, não leu…

Certa vez, diante de assessores e quatro ministros, Dilma humilhou um casal de advogados da BR Distribuidora, expulsando-os da reunião.

…o pau comeu

A ministra ligou para o presidente da BR, reclamou da “incompetência” dos advogados, desligou e ordenou: “Vocês dois, sumam daqui!”

Pensando bem…

…nem Ronald Reagan, que era ator, ganhou um filme sobre a vida dele quando era presidente dos EUA.

Cartões

Há quinze dias os gastos do governo com cartões corporativos em 2009 era de R$ 46 milhões; os gastos agora somam R$ 52 milhões. Ou seja, em novembro, o gasto médio com cartões foi de R$ 400 mil/dia. Só a Presidência torrou quase R$ 2 milhões no mesmo período.

Surpresas

Uma pesquisa realizada no DF põe o tucano José Serra com 30% das intenções de votos para presidente. Para a surpresa dos analistas, Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV) empatam na casa dos 12%.

Mistério

O ano acaba em 40 dias, mas a CPI mista que tenta investigar os repasses suspeitos do governo federal ao Movimento dos Sem-Terra continua sem membros nem previsão de início dos trabalhos.

Sem previsão

O Supremo Tribunal Federal e o Congresso já têm datas marcadas para o recesso de fim de ano: dia 19 e dia 23 respectivamente. Só o presidente Lula não tem previsão para tirar férias.

Ministro Rossi

O ex-deputado Wagner Rossi, presidente da Cia. Nacional de Abastecimento (Conab), que foi deputado pelo PMDB-SP, é o favorito para substituir Reinhold Stephanes no Ministério da Agricultura.

Chave do cofre

O deputado José Guimarães (PT-CE), irmão de José Genoino (PT-SP), acumula a paternidade de cinco secretários de Estado, no governo de Cid Gomes (PSB), além de controlar a diretoria do Banco do Nordeste.

Resultados

Quatro veteranos do banco americano JPMorgan abriram uma firma na Suíça cujo principal objetivo é investir no mercado de fundos do Brasil. Segundo um fundador, é um dos “melhores do mundo”.

Polêmica

Amanhã, um dia depois da visita do presidente porralouca Mahmoud Ahmadinejad, do Irã, a Câmara dos Deputados vai debater as propostas do governo brasileiro para a criação do Estado palestino.

Perguntar não morde

Juntar a ministra Dilma Rousseff e Cobra Coral numa audiência exige soro antiofídico?

PODER SEM PUDOR

O padre e o coronel

Coronel Zezé Abílio e padre Alfredo viviam às turras no agreste de Pernambuco. O temido coronel, amigo de Lampião, fornecia salvo-condutos para quem não queria correr risco de ser molestado pelo cangaceiro. O padre atacava essa ligação e certa vez perguntou na missa, em Bom Conselho, quem sabia o que era o Código Penal. Ele mesmo respondeu:

– É o catecismo do advogado. Pois bem: se vocês abrirem o Código Penal em qualquer página, podem enquadrar esse coronel Zezé Abílio.

Final da história: se o padre não contasse com o apoio dos índios Fulni-ô, de Águas Belas, talvez não tivesse tido tempo de encerrar a missa.

  •  

Deixe uma Resposta