• 14 jan 2010
  • Postado por Tiago

“É uma morte bonita, no cumprimento da causa em que acreditava”

Dom Paulo Evaristo Arns sobre o falecimento de Zilda Arns, sua irmã, no Haiti

Haiti: ‘doação’ pode acabar em ONGs petistas

O presidente Lula, que até hoje não visitou as áreas devastadas pelas chuvas do começo do ano, aquelas que mataram 52 pessoas só no Rio de Janeiro, anunciou ontem logo cedo a doação de US$ 15 milhões ao Haiti a vítimas do terremoto. A estonteante rapidez pode ter explicação: como em doações a outros países, parte do dinheiro pode acabar em ONGs de “trabalho voluntário” e “humanitário” ligadas a petistas.

Careca de saber

“Ainda não sabemos como esse dinheiro chegará ao Haiti”, confessou ontem o ministro Celso Amorim (Relações Exteriores). Ele sabe, sim.

Caixa preta

Apesar da insistência, o governo Lula jamais informou à CPI das ONGs quantas e quais delas recebem dinheiro público brasileiro no exterior.

Invasão de ONGs

Ao visitar o Haiti em setembro, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), presidente da CPI, se espantou com a invasão de ONGs brasileiras.

Corrida ao ouro

ONGs de petistas infestam também países como El Salvador, Bolívia, Cuba e Equador, destinos de “doações humanitárias” do governo Lula.

Lula não liberou um só centavo para Angra

Rápido na liberação de US$ 15 milhões (R$ 26,4 milhões) para as vítimas do terremoto no Haiti, o governo Lula ainda não depositou um único centavo na conta da prefeitura de Angra dos Reis (RJ) para assistências às vítimas das tragédias que mataram 52 pessoas no estado do Rio. A informação foi confirmada pela prefeitura, que, para receber os R$ 80 milhões prometidos, precisa “apresentar projetos”.

A pão e água

A prefeitura de Angra dos Reis tem se virado como pode, com recursos próprios e com o dinheiro doado por brasileiros de todo o país.

Que tragédia?

Nas trágicas enchentes de Santa Catarina, que matou e desabrigou brasileiros, Lula sobrevoou as áreas atingidas só duas semanas depois

Pouco caso

Em Angra dos Reis, somente uma semana após a tragédia apareceu o primeiro ministro. Lula preferiu carregar isopor com cervejas, na praia.

Críticas engolidas

Além de ouvirem calados a decisão de Lula sobre o plano “dos direitos dos mano” que tanto criticaram, Nelson Jobim (Defesa) e os chefes do Exército e da Marinha ainda tiveram de engolir Rogério Sottili, sub de Paulo Vanucchi (Direitos Humanos) no avião para o Haiti, ontem.

Estranho no ninho

Não se sabe ainda o que Rogério Sottili foi fazer no Haiti, mas a sua presença na comitiva chefiada por Nelson Jobim é mal recebida nos meios militares. Foi Lula quem impôs sua presença na viagem.

Meia pataca

O novo decreto confirma a criação de uma comissão que, na prática, será a da “meia-verdade”, porque será controlada pelos que propuseram a sua criação.

Esconderijo

O deputado Leonardo Prudente (ex-DEM), presidente da câmara legislativa do DF, aquele que fez das meias cofre, escondia grana junto ao motor de sua hidromassagem, onde a PF recolheu R$ 40 mil.

Terrorista tranquilo

Impressiona o ar de tranquilidade do terrorista italiano Cesare Battisti, hospedado no presídio da Papuda, em Brasília. Quem o viu ontem, por exemplo, reparou que nada no bandido lembra sua suposta depressão.

Corado e confiante

Cesare Battisti diz ter ficado 10 dias sem comer em protesto por sua possível extradição. Teria comido só uma pêra. Mas hoje se alimenta bem e está bastante corado. E contando que não será extraditado.

Delegados unidos

Os delegados das polícias Federal e Civil do DF estão unidos na pressão ao governo para aprovar a lei orgânica da classe. Já têm os salários equiparados, agora querem atualizar cargos e remunerações.

Não era assim

Além das inúmeras alusões ao atual presidente da entidade, destaca-se no “Jornal da ABI”, da honrada associação Brasileira de Imprensa, o volume inquietante de propaganda dos governos Lula e Sérgio Cabral.

Brasil limpo

Saiu o anuário “Análise Gestão Ambiental”, em inglês e português, mostrando as boas práticas das maiores e empresas e bancos do País.

PODER SEM PUDOR
Zezinho e a tevê

O mineiro de Barbacena, José Bonifácio Lafayette de Andrada deixou sua marca na história da câmara dos deputados. Grande articulador, era também um conspirador nato. Diariamente vazava informações preciosas a jornalistas no congresso, tanto para os mais experientes quanto os mais jovens, como Edilma Neiva, da TV Globo, que ao final de uma dessas conversas pediu para gravar a entrevista. 
– Ah, não. Não falo pra televisão.
Apos insistir muito, a repórter ouviu a confissão da raposa política:
– Minha filha, se gravar pra TV não vou poder desmenti-la depois…

  •  

Deixe uma Resposta