• 21 maio 2009
  • Postado por Tiago

“É castelo de dia, de tarde e de noite!”

Edmar Moreira (MG), o deputado do castelo, ao se defender no Conselho de Ética

Serra manda cancelar licitação suspeita

O governador paulista José Serra (PSDB) decidiu cancelar contratos – de R$ 1,5 bilhão – com um grupo de empresas de informática liderado pela Ctis, de Brasília, alvo de investigações do Tribunal de Contas e da Polícia Federal. O escândalo foi tema de reportagem da revista IstoÉ desta semana. São dirigentes da Ctis o ex-ministro do Planejamento de FHC Martus Tavares e o ex-secretário Luiz Fernando Wellisch.

Assim, ó

Martus Tavares e Luiz Fernando Wellisch eram da equipe chefiada por José Serra no Ministério do Planejamento, no primeiro governo FHC.

Pedágio

Martus Tavares também integra uma subsidiária do Grupo Constantino, cujo maior negócio é administrar rodovias no Estado de São Paulo.

Recomeço

O ex-deputado Roberto Jefferson, que se reaproxima do Planalto, já antecipou o apoio do PTB ao terceiro mandato para Lula.

Prego chinês

Figurinha manjada na carteira de empréstimos do BNDES, a Petrobras pendurou US$ 10 bilhões no China Development Bank, o BNDES de lá.

AGU reabilita ex-procurador inocentado

Jefferson Guedes teve de pedir demissão em novembro do cargo de procurador-geral da União, em meio a acusações como “formação de quadrilha”, formalizadas pela Procuradoria da República de São Paulo. Ele afirma que nem sequer foi ouvido. O Tribunal Regional Federal o inocentou, anulando o processo. Ontem, o ministro José Antônio Dias Toffoli o reconduziu à Advocacia-Geral da União, na Escola da AGU.

Descanso

O senador José Agripino Maia (RN), líder do DEM, vai se licenciar por quatro meses. Só para dar uma colher-de-chá ao suplente, José Bezerra.

Ele se lixa

O deputado Sérgio Moraes (PTB-RS) só se lixa para Edmar Moreira, a quem defendeu com afinco no Conselho de Ética, ontem à tarde.

Parece combinado

Ficou a impressão, na sessão do Conselho de Ética da Câmara, ontem, de cerceamento da defesa de Edmar Moreira. Isso é fator de nulidade…

Discurso mudou

Na China, Lula garimpou as palavras: disse que não trata do assunto “primeiro, porque não existe terceiro mandato, depois porque Dilma está bem”. Ou seja, tratará de terceiro mandato se o Congresso o fizer existir e/ou se a ministra desistir da candidatura por razões de saúde.

Meteram a mão

Palavra de senador governista: o temor de alguns na Petrobras é a CPI investigar o superfaturamento de R$ 85 milhões (até agora) nas obras de infraestrutura da refinaria de Abreu e Lima (PE). Temem cadeia mesmo.

A cobra vai fumar

O deputado Laerte Bessa (PMDB-DF) aprovou por 9×1, a convocação do ministro Carlos “Holofotes” Minc (Meio Ambiente) para explicar na Comissão de Combate ao Crime Organizado da Câmara por que foi à marcha em defesa da maconha e ainda fez discurso de apologia à droga.

Boquinha socialista

Aliado do PSDB no plano nacional, o PPS é petista na Bahia. Seu presidente regional, George Gurgel de Oliveira, que fez campanha para Jaques Wagner, ganhou uma boquinha na Secretaria do Meio Ambiente.

Faturamento caiu

As empresas de segurança do deputado do castelo Edmar Moreira MG), devem fechar no vermelho: ele deixou de usar a verba indenizatória, pivô da crise que rendeu processo no Conselho de Ética em fevereiro.

Fogueira amiga

O governo conta com as fogueiras de São João, que afastam políticos do plenário, e também com o feriado de Corpus Christi, para acalmar os ânimos na CPI da Petrobras. E, em julho, vem o recesso providencial.

Esforço no Senado

Eleita líder do governo no Congresso, a senadora Ideli Salvatti (PT-SC) foi orientada pelo Planalto a marcar sob pressão o líder no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR). Ele já não inspira assim tanta confiança entre petistas, desde o episódio de demissão de seu irmão da Infraero.

Investimento

A brasileira CR Motors e a chinesa Zongshen, que tem 30 empresas e 14 mil funcionários, assinaram em Pequim um acordo para investir US$ 80 milhões na zona franca de Manaus, na produção de 90 mil motocicletas.

Joint venture

Perdigão, macho da perdiz, agora é o marido da Sadia.

PODER SEM PUDOR

Meu bem penhorado

O senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) descontraiu a discussão da Medida Provisória que tratava da renegociação das dívidas dos produtores rurais, em 2003, ao defender os interesses dos agricultores do semiárido:

– Lá no Nordeste não dá pro marido chamar mais a mulher de “meu bem”. Se chamar, o banco penhora.

Com Teresa Barros e Tiago de Vasconcelos

  •  

Deixe uma Resposta