• Postado por Tiago

Consumidor só vai ao Mercado Público se puder estacionar perto

O fechamento da avenida Paulo Fontes, no centro da capital, trouxe transtornos não só pro trânsito da cidade. Os comerciantes do mercado público reclamam que há duas semanas, desde que a via foi fechada pros carangos, os clientes praticamente sumiram. Com isso, o faturamento de alguns boxes já registra queda de até 40%.

?Só lembro da gente ter ficado com as vendas tão ruins nos últimos anos quando o mercado pegou fogo em 2005. As pessoas até compravam, mas a maioria vinha até aqui mesmo era pra ver o estrago?, lamenta Marcelo Jacques, de uma das peixarias mais tradicionais do local.

Marcelo diz que outro serviço que praticamente desapareceu é o de encomendas. Os clientes tinham por hábito ligar pras peixarias, fazer a encomenda e passavam de carro pra pegar. ?Enquanto uma pessoa descia pra pegar a compra, a outra dava a volta na quadra. Agora os clientes têm que pagar estacionamento, descer e vir até aqui?, conta.

Fora isso, os comerciantes também tão com problemas pra carga e descarga. O acesso ao local onde os caminhões encostavam pra descarregar o peixe fresquinho agora tá fechado, e o povo tem que andar com as caixas de pescados no lombo pra abastecer as bancas.

O objetivo da prefa mané é humanizar o centro e evitar que carros circulem pela região, colocando em risco a vida de milhares de pedestres que zanzam pelaí. O processo de alteração e fechamento das vias do centro começou no dia 20 de outubro. Desde então, somente os busos passam pela região da Paulo Fontes pra terem acesso ao terminal central. O projeto de humanização não tem data pra sair do papel. Ou melhor, nem foi pro papel ainda. A prefa recém lançou um edital de concurso público pra escolha do melhor projeto.

  •  

Deixe uma Resposta