• Postado por Tiago

INTERNA-ABRE-DSC01609

Comissão não gostou do que viu: marasmo na obra

A comissão de segurança que acompanha a construção da nova penitenciária da região pretende enviar ainda esta semana um relatório sobre o andamento da obra ao ministério público em Itajaí e Balneário Camboriú. A lerdeza do trampo na Canhanduba foi verificada mais uma vez pela comissão durante uma visitinha surpresa, na quarta-feira.

O relatório, que descreve a situação precária do canteiro de obras, vai ser entregue também à secretaria de desenvolvimento regional e às prefas de Itajaí, Balneário e Camboriú, que pagaram pelo terreno. Fotos tiradas durante a visitinha vão ilustrar o relatório pra que não fique chata a leitura daquela montoeira de textos sem figuirinha alguma.

O principal problema encontrado é a falta de pavimentação do terreno. Cada vez que chove, o lugar vira um lamaçal e o trampo, que já anda a passos de tartaruga, precisa ser interrompido. Apenas quatro peões da construtora Espaço Aberto tavam com a mão na massa durante a bizolhada da comissão. A empresa manezinha, contratada pra tocar as obras, deveria ter pelo menos 50 homens trampando na obra pra dar conta do recado.

A única boa nova registrada pelos 10 integrantes da comissão foi a chegada dos 50 módulos de concreto que vão funcionar como celas. Fora isso, o portão de entrada continua escangalhado, o muro não foi construído e as estruturas hidráulica e elétrica ainda são só um projeto que não saiu do papel. ?Do jeito que está será complicado terminar no prazo?, lascou o presidente da federação dos conselhos comunitários de segurança (Feconseg), Valdir de Andrade, um dos membros da comissão.

Os engenheiros da secretaria de segurança da Santa & Bela alegam que a grana pra conclusão da obra tá emperrada na Caixa Econômica Federal, graças à burrocracia, e esse é um dos motivos pra lerdeza do trampo. O presidente do Feconseg também prepara uma carta, pedindo explicações à Caixa, sobre a liberação da bufunfa.

O rolo

A construção da penitenciária é uma parceria entre as prefas de Itajaí, Balneário e Camboriú e o governo do estado. A obra deveria ficar pronta no ano passado, mas problemas com liberação de papelada e até corte de energia atrasaram a entrega da construção.

Pra tentar evitar que o estado enrole o povão, foi montada a comissão de segurança, com integrantes do legislativo, executivo e associações de moradores das três citys, que prometem averiguar o andamento da obra e cobrar dos responsáveis. O pessoal até já ameaçou pedir a cabeça do secretário Ronaldo Benedet.

  •  

Deixe uma Resposta