• Postado por Tiago

Junto com a pesquisa, o advogado Rafael Martins Seára, também manda dicas pro consumidor se dar bem na hora das compras dos produtos para a ceia de Natal. A primeira delas é básica: faça sempre uma pesquisa de preços antes de levar a mercadoria.

Outro toque importante é avaliar a relação entre preço e qualidade. Preço baixo nem sempre é sinônimo de bom negócio. Não adianta economizar no bolso e ver a visita de cara torcida pr’aquela castanha toda murcha na bandeja.

Também fique atento ao que está escrito no rótulo. “No caso de produtos importados, as informações do rótulo devem estar traduzidas para a língua portuguesa”, ressalta Rafael. Melhor assim do que chegar em casa e descobrir que os enjoados da sua família não comem chester temperado com canela e pupuaçu cozido em óleo dendê.

A pesquisa da Procon, de alguns itens da cesta da ceia de Natal, não é uma propaganda. Ela serve para que o consumidor tenha uma ideia do preço dos produtos e possa montar seu orçamento gastando menos. É uma maneira de ensinar o povão a fazer planejamento orçamentário. Por isso, diz o chefão do órgão de defesa do consumidor, mesmo fazendo a pesquisa de preços é preciso avaliar se vale a pena ficar correndo de um lugar pra outro atrás dos mais baratos. “Deve ser sempre considerado o custo benefício do deslocamento no caso de estabelecimentos que estão apresentando produtos mais baratos que os da sua região”, alerta.

  •  

Deixe uma Resposta