• Postado por Tiago

Polícia não achou digitais da dupla no carro do padre e a liberou

Diego Rafael Custódio Torman e William Barth Ginardi, ambos de 19 anos, suspeitos de serem cúmplices na morte do padre Alvino Broering, 46 anos, foram liberados ontem pela polícia Civil. Eles silivraram da jaula, pois não foi comprovada a participação deles no assassinato. O religioso foi assassinado com oito facadas, às margens da BR-101, em dezembro, e a dupla caiu no dia 4 de janeiro, junto com Maykon Costa Crispim, 18 anos, assassino confesso do padre.

O investigador da central de Operações Policiais (COP), Luciano Miranda, diz que o laudo do instituto Geral de Perícia não encontrou as digitais de Diego e Willian no Astra, placa MDA 8914 (Itajaí), roubado do padre no dia do crime. ?Como não temos provas contra Diego e William, eles vão responder em liberdade por receptação?, conta. Eles foram indiciados por receptação, pois tavam com o material levado do carro do religioso.

Na época da prisão, a polícia mesmo informou que Willian e Diego deram voltinhas no carro do padre, mas eles foram espertos e teriam limpado o veículo pra não deixar pistas. Como não encontraram provas da participação deles no crime, William foi liberado na manhã de ontem e Diego no final da tarde.

Maykon Costa Crispim, 18, que confessou ter dado as facadas no padre, segue enjaulado na 2ª depê, onde espera uma vaguinha nos cadeiões da região. Os tiras ainda tão atrás do aparelho de som roubado do carro do padre e também aguardam o laudo que apura se era mesmo sangue o material encontrado no Astra.

A morte

Padre Alvino foi assassinado com oito facadas por volta das 2h da madruga do dia 14 de dezembro, às margens da BR-101, no bairro Salseiros. Maykon, que tava com ele no carro, pediu para fazer xixi às margens da BR-101, em frente a Itadisa. O guri então anunciou um assalto e o religioso reagiu.

O matador deu uma facada nele e o padre saiu correndo, pedindo por socorro. Maykon foi atrás e deu outras facadas nas costas do padre. O guri fugiu com o Astra, enquanto o religioso foi socorrido pelos bombeiros e chegou com vida ao hospital Marieta Konder Bornhausen, mas não resistiu aos ferimentos e foi dessa pra uma melhor.

O carro foi achado no início do ano, abandonado na rua Estevão Pivatto, no centro de Navegantes. Três dias após o carro ser recuperado, Maykon, Diego e Willian foram presos em suas baias, também no centro dengo-dengo.

  •  

Deixe uma Resposta