• Postado por Tiago

Tiras da polícia técnica da capital manezinha tão analisando 15 computadores que foram recolhidos durante a operação que desmantelou uma rede de pedófilos comandada por um funcionário do Tribunal de Justiça catarina, no início do mês. Os homis querem juntar provas pra que os 10 nojentos que foram presos durante o atraque tenham a punição que merecem.

A operação pra botar os trastes atrás das grades foi comandada pelos policiais da diretoria de Investigações Criminais (Deic), que descobriram que Celso Kurtz, que trampava no TJ, e seu irmão, Ivan Kurtz, comandavam uma quadrilha que torturava e violentava crianças, e depois divulgava as imagens dos crimes pela internet. Eles também são investigados por assassinato.

Além da dupla de manos coisasruins, também tão presas em Floripa outras cinco pessoas, acusadas de participar da nojeira. Tem ainda um enjaulado no Ceará, um no Mato Grosso e outro no Rio de Janeiro, que foram guentados em flagrante. Ainda não se sabe se eles serão encaminhados pra algum presídio catarina.

O delegado Renato Hendges, que comandou as investigações, disse que uma das pessoas envolvidas, que é de São Paulo, conseguiu siscapar da polícia e tá foragida. “Ainda continuamos à procura dele”, contou.

Os vagabundos tão em prisão preventiva, e não têm data pra saírem da jaula. “Tão presos por tempo indeterminado, até o julgamento”, avisou o delegado. Além dos computadores, que contêm os registros de mensagens trocadas entre os pedófilos, CDs e DVDs com imagens de arrepiar, que foram recolhidos com os nojentos, também tão sendo analisados com cuidado pra que nenhuma prova dos crimes praticados por eles passe em branco.

  •  

Deixe uma Resposta