• Postado por Tiago

O assistente administrativo Emerson Teixeira Kunz, 28, veio ao DIARINHO pra agradecer à viadagem da redação e ao pessoal da secretaria de Educação de Itajaí que atendeu seu apelo em busca de uma vaga em creche pra sua filhinha de 10 meses. A família tava sofrendo porque todo mundo trampa e a garotinha tava ficando nos fundos da oficina aos cuidados da avó.

Emerson conta que, logo após a reportagem ser publicada no DIARINHO, em 24 de setembro, foi procurado pelo pessoal da secretaria de Educação da prefeitura e recebido pela mandachuva Maria Heidemann. Ontem, os assessores da secretária lhe informaram que a vaga tava no papo. “Fiz a matrícula na mesma hora e a minha filha já foi pra creche”. Agora, a pequena M. tá num lugar apropriado, na creche Valdemir de Souza, no loteamento Votorantin, nos Cordeiros.

Quem mais sofria com a história, além da criança, era a avó, dona Oneide Teixeira Kunz, 53 anos. Ela tava super preocupada com o futuro da netinha, pois tinha que ficar com um olho na criança e outro nos clientes da pequena oficina de produtos industriais da família. A menina também convivia com cheiro forte de produtos químicos e com uma barulheira danada. Dona Oneide, além de zelar pela segurança da netinha, ainda cuida de um filho com necessidades especiais. A mãe de M. trabalha o dia inteiro como acompanhante de idosa.

Quando a matéria foi publicada, Sueli Costa, diretora de ensino infantil da secretaria de Educação de Itajaí, admitiu ao DIARINHO que a fila de espera nas creches peixeiras é grande. Sueli informou que a secretaria tava revendo as matrículas, porque muita criança acaba deixando a escolinha e acabam sobrando vagas pra quem realmente precisa. Uma delas acabou sendo ocupada pela filhotinha do leitor Emerson.

  •  

Deixe uma Resposta