• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PÁGINA-SEIS----ARQUIVO-p---mega-operação-da-receita-federal--interna-polícia-página-seis-(2)

Depósito da receita peixeira tava abarrotado de bagulho apreendido na região

A receita federal pexeira mandou destruir cerca de 53 toneladas de produtos pirateados apreendidos nas operações que rolaram na região, desde o ano passado. A destruição começou ontem, em Mauá, no interior paulista. A ação faz parte de uma operação nacional pra destruir mercadorias, chamada Mutirão IV.

A decisão de dar fim na bagulhada ilegal faz parte de uma ação desencadeada em todos os estados do país, que pretende acabar com 1,3 mil toneladas de produtos falsificados até sexta-feira.

Dentre as 53 toneladas que saíram de Itajaí rumo ao interior paulista, estão produtos dos mais variados tipos, como cds e dvds piratas, cigarros, bebidas, cosméticos, medicamentos, alimentos vencidos, preservativos e tudo que é tipo de bugiganga. Quem conseguiu provar que os produtos eram legais, recebeu tudinho de volta.

A maior parte dos bagulhos é resultado das últimas batidas feitas nos camelôs de Itajaí e Balneário Camboriú, além de apreensões alfandegárias.

?Todas as mercadorias estão sendo destruídas porque foram dadas como perdidas pela justiça, já que os donos não se identificaram ou não apresentaram as notas fiscais comprovando a posse dos produtos?, explica delegado da Receita Federal em Itajaí, José Carlos de Araújo.

O lugar escolhido para a destruição é contratado pela Receita e especializado neste tipo de serviço.

Uma fortuna

Os produtos são todos espalhados na chón, e um rolo compressor passa por cima várias vezes transformando tudo em picadinho. Depois, o que sobrar da bagulhada é jogado numa vala especial, preparada pra receber a sujeirada sem poluir o meio ambiente.

A Receita Federal também divulgou o resultado das apreensões feitas no país de janeiro a abril deste ano. O valor das mercadorias guentadas no período é de R$ 415 milhões.

Do total de bagulhos apreendidos, 24% foram doados a órgãos públicos, 12% a entidades beneficentes, 21% leiloados e 8,5% devolvidos aos proprietários.

Os outros 34,5% foram destruídos por apresentarem riscos à saúde e ao meio ambiente.

  •  

Deixe uma Resposta