• 25 nov 2009
  • Postado por Tiago

esporte@diarinho.com.br

Meia-boca

Mais uma vez, foi meia-boca o resultado de Itajaí nos jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc). O sexto lugar mostra que o investimento no esporte amador da cidade ainda é pequeno e, principalmente, mal distribuído. De nada adianta importar atletas phodões só pra competirem nos Jasc. Tem que contratar esses caras pra, pelo menos, passarem um ano por aqui ensinando a molecada e servindo de exemplo pro surgimento de novos talentos peixeiros. Infelizmente, a cabeça da cartolagem ainda tá na idade da pedra. Eles estão mais preocupados com briguinhas entre associações do que com o bem do esporte itajaiense. É uma pena!

Mal necessário?

O grande problema hoje é que a forma de disputa dos Jasc privilegia o errado, ou seja, que as cidades importem atletas só pra conseguirem ganhar alguma coisa. O ideal seria modificar o regulamento e obrigar estes esportistas a passarem um tempo nas respectivas cidades pra poderem participar da principal competição da Santa & Bela. Seria uma boa alternativa, até mesmo pra fortalecer o esporte local e acabar divez com essa invasão estrangeira somente no dia da competição. Depois da vitória, eles pegam suas medalhas e voltam pros seus estados. É uma triste realidade, que deveria ser revista já pra 2010.

Tu sabias?

Floripa ter faturado os Jasc este ano deve ter pego de surpresa até mesmo o pessoal da fundação Municipal de Esportes. A delegação manezinha não conseguiu, nem no site da instituição, uma famigerada linhazinha sobre as possibilidades de troféus. Quem ganhou o troféu não foi a FME, que tradicionalmente em todas as cidades faz muito menos do que deveria pelo esporte. Mas que tava todo mundo lá pra levantar a taça e reforçar aquele apoio merreca na hora da foto, ah, isso tava!

Magoou, foi?

Diretoria do Figueira ficou escorneada com a pichação dos muros do Scarpelli após a derrota para o Duque de Caxias e a consequente perda da chance de voltar à primeira divisão. E eles queriam o quê? Que o torcedor comemorasse? O retorno não veio dos gramados e muito menos de quem administra as coisas que rolam dentro das quatro linhas. A gente não concorda com vandalismo e com covardia. E menos mal que usaram apenas um isprei pra expressar o ódio. Poderiam ter apelado pro quebra-quebra.

Chuta que é macumba!

Foto:

Se confirmado o rebaixamento do Botafogo, pode crer que Anderson Barros corre sério risco de ficar desempregado. Era ele o gerentão de futebol do Figueira em 2008, quando o time caiu pra Segundona. É o tipo do cara que usa botas de gelo.

Que novela!

Já tá um saco essa história do fica-não-fica do técnico Silas. Como no mundo da bola o que vale é o dinheiro, pra ele não ter juntado os panos de bunda ainda é porque ainda não rolou uma proposta que lhe renda uns caraminguás reluzentes e a oportunidade de ficar mais perto da família. Vamos ver quanto tempo o Leão conseguirá segurar o treinador, porque Silas é considerado por muitos a grande revelação do Brasileirão à beira das quatro linhas.

Foguetório

Os avaianos pouco se importaram com o pau que o time levou do Santo André, no domingo. Comemoraram mesmo foi a permanência do Figueira na Segundona. Foguetório em Floripa no sábado foi taliquali uma vitória do Leão. Pra tu ver como tem gente que gasta vela boa com defunto ruim. Sai pra lá!

  •  

Deixe uma Resposta