• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PÁGINA-QUATRO-p---sergio-jose-leal-reaparece-(divulgação)

Corretor jura que naõ teve intenção de fugir nem dar golpe

Acabou o mistério do desaparecimento do corretor de imóveis Sérgio José Leal, 32 anos, que tinha sumido de sua imobiliária em Balneário Camboriú na manhã do dia 27 de dezembro, sem deixar rastro. Ele voltou pra casa e disse à família e à polícia que resolveu siscafeder depois de ter tentado simatar. O cara afirma que tava fora de si, mas garante que a crise já passou. A polícia vai continuar investigando o caso pra saber se ele tá mesmo falando a verdade.

A história começou quando Sérgio saiu de casa, por volta das 6h da manhã do dia 27. Ele foi até uma baia que tinha alugado pra um grupo de turistas, onde tinha rolado um arranca-rabo por conta de um aparelho de ar-condicionado. Depois de um plá com os clientes, ele conta que pintou em sua imobiliária, a Leal, na rua 1300, e pensou em fazer uma besteira. ?Cheguei a subir no segundo andar e pensei em me jogar. Mas lembrei da minha mulher e dos meus filhos e desisti?, diz, emocionado.

Sérgio afirma que saiu da imobiliária pilotando sua Honda, placa MEN 4363 (Camboriú), e seguiu até Curitiba. Lá, deixou a cabrita num estacionamento perto da rodoviária e embarcou num busão rumo a São Paulo. ?Eu tava perturbado. Não sei se era estresse, mas eu me sentia perseguido?, diz.

Depois de dois dias na Terra da Garoa, o corretor afirma que colocou todos os seus documentos num envelope, escreveu uma carta e mandou tudo pra sua esposa, com quem tem dois filhos pequenos, por Sedex. ?Só fiquei com a identidade, e pensei em dar fim nela?, conta.

Sitocou da bobiça

Sérgio diz ter ido ainda, de ônibus, até a cidade de Piracicaba. ?Foi quando as coisas começaram a clarear. Vi o erro que tava cometendo e resolvi voltar?, comenta. Durante todo esse tempo, o corretor teve contato com um funcionário seu, que viu o sofrimento da esposa do cara, que tava pensando no pior, mas mesmo assim ficou de bico fechado e não contou nada sobre o paradeiro do patrão.

Na quarta-feira, Sérgio pegou um buso até Campinas, seguiu pro aeroporto, de táxi, e de lá pegou um avião pra Navegantes. Só quando o corretor já tava a caminho seu funcionário disse à família que ele tava bem e voltando pra casa.

Enquanto isso, a polícia Civil sivirava nos 30 pra tentar encontrá-lo. Sérgio diz que não teve problemas com a dona patroa depois que reapareceu, mas ele ainda não se acertou com os homisdalei, que ainda vão ouvi-lo oficialmente. Os tiras também tão à espera do Sedex que ele diz ter mandado pra esposa, pra confirmar a história que ele conta. Só depois vão decidir se o cara será responsabilizado pelo auê que causou. ?Não tive intenção de fugir com dinheiro nem de dar golpe em ninguém e vou provar isso?, jura de mãozinhas postas.

  •  

Deixe uma Resposta