• 26 set 2009
  • Postado por Tiago

deolho26-G20-ponte

Presidente Lula (de terno mais claro), posa ao lado do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, na foto oficial do encontro dos chefes de Estado e de Governo do G-20 financeiro, em Pittsburgh.

A curiosidade é a marca do encontro, usando a silhueta de uma ponte. Se estivesse escrito ?Florianópolis? embaixo, poderia perfeitamente ser a Hercílio Luz, né não?

Nada de novo
na Metrópole

A audiência de quinta (24), na 3ª Vara Criminal de Florianópolis, não teve novidades. Segundo o Nei Silva, ?o Derly Anunciação (Comunicação) e o Ivo Carminati (SC Parcerias) parece que estão com amnésia?. Ninguém se lembra de qualquer acordo com a revista Metrópole. E, claro, o livro que poderia avivar a memória do pessoal, continua censurado.

Parece lógico: se o livro que conta o acordo do governo com a revista foi jogado pra debaixo do tapete e todo mundo faz de conta que não existe, por que alguém teria que responder a alguma das alegações lá contidas?

Pra variar, neste País onde a Constituição garante a liberdade de imprensa, mas o judiciário encontra freqüentemente novas formas manter as coisas ?low profile?, o juiz Leopoldo Augusto Brüggmann não permitiu que a imprensa acompanhasse a audiência. Pelo menos foi o que me contou um dos presentes.

VAMOS RESSUSCITAR o MOS?

O MOS era a sigla do Movimento de Oposição Sindical que nós (um monte de gente e eu inclusive) fizemos, no século passado, pra tomar, com a força do voto, a direção do Sindicato dos Jornalistas. Divergíamos, na época, de uma turma a quem chamávamos de ?pelegos? e que achávamos que não nos representava adequadamente.

Foi uma luta longa e difícil. Primeiro, porque tivemos que fazer com que todos os descontentes se filiassem ao Sindicato. Não tem como vencer eleições, se os que estão do nosso lado não têm condições de votar. E além de filiar ?os nossos? ainda era preciso fazer campanha pra tentar também cavar uns votinhos entre ?os deles?.

O movimento foi vitorioso, tomamos o poder e, embora o esquema petista tenha deixado alguns militantes de primeira hora de fora, a coisa foi bem durante um bom tempo. Até que?

As eleições seguintes, até hoje, foram sempre com chapa única. O que acabou por enfraquecer o espírito de luta, desagregou a categoria e transformou o sindicato numa repartição pública. Coisa que, de resto, aconteceu em muitos sindicatos. Ser sindicalista no Brasil é profissão. É carreira que pode levar à presidência da República. Aos conselhos das estatais. Dos fundos de pensão. Pode-se ficar muito rico sendo sindicalista. E mais rico ainda sendo advogado privativo de sindicatos.

Pois bem, ontem li uma nota, assinada por uma das diretoras do sindicato e, pelo que está escrito, divulgada em nome do sindicato. E acho que foi a gota d?água. Não acredito que só eu, dentre os jornalistas que vivem e trabalham (ou tentam trabalhar) em Santa Catarina, ache esse tipo de ?militância? um absurdo, para uma entidade que deveria se preocupar com os problemas do exercício profissional e, quando resolve se meter em algum tema nacional ou internacional, deveria mostrar um mínimo de informação e cuidado.

Esta é a nota:

?O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, diante dos fatos que se agravam em Honduras, com bloqueio de informações, retirada de sinal de rádios combativas, violência policial, assassinatos e desaparições, convoca todos os sindicatos e lutadores sociais para um ato em defesa do povo de Honduras, contra o cerceamento de informações, contra a violência e pelo retorno de Manuel Zelaya ao poder. Honduras é parte da grande pátria Latino-Americana e a vitória de sua gente é a vitória da gente brasileira. Será nesta sexta-feira, dia 25 de setembro, na Esquina Democrática em Florianópolis, das 11h30min às 14h. Veja participar! O povo de Honduras em luta precisa de cada um! (Elaine Tavares)?

Ela me inspirou a fazer, por minha conta e risco, a seguinte contra-nota:

?Os jornalistas catarinenses, diante dos fatos que se agravam no mercado profissional do estado e do País, com redução de salários, diminuição de oportunidades, extinção da obrigatoriedade do diploma, violência patronal, desemprego e desprestígio da categoria, convocam a todos que ainda não são sindicalizados, a se sindicalizarem, com o objetivo de podermos lançar uma chapa nova, combativa, competitiva e realmente revolucionária, que tome o poder no sindicato dos Jornalistas, se possível, já nas próximas eleições. Sabemos que o custo da sindicalização não é barato e que, num primeiro momento, pode parecer contraditório dar dinheiro aos adversários dos jornalistas, mas o objetivo é nobre e a luta vale a pena, quando a alma não é pequena. Viva o Movimento de Oposição Sindical 25 de setembro! Hasta la victoria siempre! (Cesar Valente)?

A propósito, o nome do movimento pode ser decidido depois, em alguma das inúmeras e inevitáveis reuniões e assembléias gerais. Mas me pareceu adequado colocar a data de ontem. Que, por coincidência, é também o dia que que foi fundada, em Londres, a Associação Internacional de Trabalhadores (1864) e em que nasceu Roquette Pinto, precursor da radiodifusão no Brasil (1884).

deolho26-lula-obama-bachelet

DIGAM LÁ VOCÊS, QUE SÃO ESPERTOS: EM QUE LÍNGUA LULA ESTÁ CONTANDO PIADA PRO OBAMA?

  •  

Deixe uma Resposta