• 16 dez 2009
  • Postado por Tiago

BUNDALELê!

Estavam cobertos de razão aqueles que começaram a festejar assim que, mais ou menos por acaso (depois de três ou quatro desistências), o processo caiu nas mãos do desembargador Carlos Prudêncio, no Tribunal de Justiça de Santa Catarina. Ele ontem, no final da tarde, derrubou as liminares que suspendiam o pagamento da árvore da fortuna.

A festa no apê irá até a madrugada. O suspeitíssimo contrato da árvore milionária foi mantido, o sobrepreço indecente foi mantido, as suspeitas de mão no baleiro foram mantidas. Os pobres habitantes da beira-mar norte terão suas noites sacudidas pelo som brega e estridente. Vai ter bundalelê, com certeza.

O povo de Florianópolis dançou. Marchou com alguns milhões, que agora, graças à providencial intervenção do desembargador, chegarão às mãos de onde nunca deveriam ter saído: a dupla Dário & Mário, que a esta altura está com o sorriso de orelha a orelha, taças de champanhe na mão e nas caixas de som, a todo volume, Bruno & Marrone ou um daqueles sertanejos universitários de preferência do prefeito.

Cavallazi, com certeza, voltará a mentir, respaldado pelo Tribunal de Justiça. E, tal e qual todo personagem indigesto, em algum momento dirá, cheio de razão: “vocês vão ter que me engolir”. Claro, afinal, pelo jeito a cidade é mesmo deles.

Só espero que o MPSC, que marcou um gol de placa com a investigação sobre o vice, não amarele justo agora. E que o TCE, que finalmente mostrou a que veio, não se deixe intimidar pela pressão que seus conselheiros políticos certamente receberão e exercerão.

O desembargador Carlos Prudêncio patrocinou um duro golpe no Natal daqueles que amam Florianópolis e a verdade. Só espero que tenha feito isso amparado em firmes convicções, porque esta história irá parar, com certeza, no Conselho Nacional de Justiça. O bom e ordeiro povo de Florianópolis não merece que tudo fique como está.

Em poucas palavras…

Agora a modinha é o tuíter (ferramenta de internet que permite publicar textos de no máximo 140 caracteres), então republico aqui o que escrevi lá (twitter.com/cvalente) a respeito da denúncia, formulada pelo Ministério Público de Santa Catarina. Pelo simples fato de que não há muito o que dizer:

# O MPSC confirmou a denúncia, ao TJ, dos sete indiciados da operação Transparência

# O procurador confirmou que o vice-governador está enroscado até o gogó. E foi investigado com autorização do TJ.

# Depois de meses de escuta autorizada, o MPSC e a PF concluíram que Pavan deve ser denunciado por corrupção passiva…

# Em certas rodas, pega mal ser “passivo”, mas estar denunciado por corrupção passa batido…

A última dos vereadores DA CAPITAL

A Câmara de Vereadores de Florianópolis não pode ser considerada, a rigor, uma caixinha de surpresas. O prefeito tem ali sólida maioria e uma estreita aliança com o presidente da Casa, o que torna virtualmenet impossível aprovar ou rejeitar qualquer proposta que contrarie os desígnios superiores.

Segunda à noite, a Câmara votou um projeto que, por si só, é de deixar os cabelos das pessoas de bem em pé. “Regulariza” o que antes estava irregular (ou clandestino!), jogando por terra as normas anteriores e considerando imbecis e idiotas tanto os otários que seguiram as normas, quanto os servidores municipais que tentaram fazer as normas serem seguidas (e certamente foram dissuadidos, a cada passo, pelos vereadores, aos longos das legislaturas):

“Por unanimidade (16 votos), a Câmara de Vereadores aprovou na sessão da noite de hoje (14/12) o projeto de lei 950/2008, do Executivo, prevendo que as construções irregulares, clandestinas e não adequadas para atividade originalmente legalizada existentes no município até 31 de dezembro de 2006, poderão ser aprovadas para fins de concessão do “habite-se”. O projeto aprovado considera irregular a construção, reforma ou ampliação de edificações executadas em desacordo com o projeto aprovado pela Prefeitura. Por clandestina considera a construção, reforma ou ampliação de edificações executadas sem a aprovação dos setores competentes municipais. Segundo informações da Prefeitura, 61% dos imóveis em Florianópolis não estão regularizados e funcionam com alvarás “ex-oficio”, de caráter precário.”

Pra mim (que posso estar completamente errado, uma vez que sou praticamente um ancião ranzinza e de paciência escassa), é um escândalo. Afirmam, os senhores vereadores e o senhor prefeito, que, quando a maioria comete um crime, uma contravenção, desobedece alguma norma ou lei, esse fato deve ser considerado relevante para que seja concedida anistia ampla e irrestrita.

A seguir esse raciocínio, se 61% da população estiver sendo processada por roubo, caberia votar alguma coisa que revogasse o mandamento “Não roubarás” e toda a legislação que impeça a apropriação dos bens alheios.

Não estou exagerando. Foi exatamente isso que foi aprovado: quem instalou uma empresa em área residencial, em vez de ser expulso e tirado dali, como previa a lei e como esperavam os vizinhos, terá oportunidade de legalizar a invasão. Chance de ouro de lavar a contravenção, limpar as impressões digitais do crime e que se danem os 40% que estão adequadamente instalados. Quem mandou serem burros e confiar na lenda de que lei é pra ser cumprida. Dane-se a lei.

Sempre poderemos confiar que apareça uma dupla caipira, tipo Dário & Gean, disposta a fazer vistas grossas aos irregulares e clandestinos. Se a lei incomoda, atropela-se a lei.

UMA CAMPANHA DO TIO CESAR PRA NÃO DEIXAR QUE A Árvore DE NATAL QUE SÓ DÁ GALHO AZEDE O NATAL FLORIANOPOLITANO

  •  

Deixe uma Resposta