• 17 dez 2009
  • Postado por Tiago

deolho17-convite

A ÁUSTRIA É AQUI

O governador LHS tá convidando todo mundo pra assistir a um ?concerto palaciano? de valsas vienenses, tocadas por uma orquestra que ele trouxe (com nosso dinheiro, como sempre), da Áustria. O festerê será domingo, no Costão do Santinho (claro, amigo é pressas coisas). Enquanto o Pavan dança, o LHS valsa…

Perguntar
não ofende

O político suspeito de embolsar R$ 100 mil foi investigado pela PF, indiciado, denunciado pelo Ministério Público, e corre o risco de enfrentar um longo processo, com grande desgaste e certamente algum prejuízo para seus planos eleitorais.

E os políticos suspeitos de embolsar R$ 2 milhões? Vão conseguir se safar na boa?

TJSC MANDA PARAR DE PAGAR
A árvore

O Ministério Público de Santa Catarina explicou bem explicadinho, no seu site, qual foi o resultado da sessão de ontem do Tribunal de Justiça. Trago os principais trechos:

?Por unanimidade, o Pleno do Tribunal de Justiça decidiu, na manhã desta quarta-feira (16.12.2009), ao apreciar recurso (agravo regimental) proposto numa ação popular, suspender o contrato firmado entre a Prefeitura Municipal de Florianópolis com a empresa Palco Sul, para instalação da árvore de Natal na Avenida Beira-mar Norte. O Pleno também decidiu, de forma unânime, pelo bloqueio dos pagamentos ainda pendentes à empresa contratada, que são a terceira e a quarta parcelas, somando R$ 1.580.000,00. (…)

Relator da matéria, durante a sessão do Tribunal Pleno o Desembargador Carlos Prudêncio modificou parcialmente sua decisão: proferiu voto mantendo seu entendimento pelo fim do sequestro dos pagamentos já efetuados pela Prefeitura, mas opinou pela suspensão do contrato e do pagamento das parcelas pendentes. O novo entendimento do relator atendeu aos pedidos formulados na ação cautelar proposta pelo Ministério Público e foi seguido por 27 dos Desembargadores presentes à sessão. Outros oito Desembargadores também votaram pela suspensão do contrato e dos pagamentos pendentes, mas opinaram ainda pela manutenção do sequestro do valor já pago à empresa pela Prefeitura, sendo vencidos nessa última questão?. (…)

Julgamento da árvore no TCE SÓ NO ano que vem

Um pedido de vistas (ah, os pedidos de vistas às vezes são tão providenciais?) de um dos procuradores do Tribunal de Contas (daquele órgão denominado Ministério Público Junto ao Tribunal de Contas, que não tem nada a ver com o Ministério Público propriamente dito), brecou o exame do caso na sessão de ontem à tarde. Com isso, Cavallazzi&Berger (irmãos do Mário&Dário) têm um refresco nas festas de final de ano.

Como lembram, o despacho da auditora Sabrina Nunes Iocken tinha determinado a suspensão dos pagamentos (tal e qual o Tribunal de Justiça acabou decidindo hoje) e convidava o ínclito Cavallazzi para explicar uma dezena de indícios de irregularidade no processo de locação da árvore de natal mais cara do mundo.

A NOVELA FEPESE/ALESC TÁ FEDENDO

Há inúmeras perguntas sem resposta nesse caso do plágio das questões de parte da prova do concurso da Fepese/Alesc. E, como tudo que fica sem esclarecer durante muito tempo, a coisa já começou a feder.

1. A Fepese é uma fundação de apoio às atividades da UFSC. Mas, sem apontar o nome de quem plagiou as questões, lança suspeitas genéricas e acusações retóricas à própria UFSC e ao Departamento de Jornalismo, em especial. Por quê?

2. Ao deixar ?vazar? que o plagiador pertence ao Departamento de Jornalismo, sem dizer seu nome, a Fepese lança a maledicência sobre todos os professores. Melhor seria ter dito logo de quem se trata, para que os demais não fiquem sob suspeição. Por que se protege o plagiador (ou plagiadora)?

3. Ao assumir a realização do concurso, a Fepese se coloca como responsável por tudo (principalmente pela cobrança dos honorários). Mas, neste caso, resolveu tirar o corpo fora da falha de segurança que apresentou. Faltou revisão, faltou competência da Fepese, mas nada disso será levado em conta. Por quê?

4. E por que a Assembléia Legislativa anulou todo o concurso, prejudicando 7000 candidatos, se houve problema apenas nas provas de cerca de 700 candidatos?

5. Por que a Alesc vai refazer o concurso com a mesma Fepese?

6. E a pergunta principal, que não quer nem vai calar: quem é o plagiador (ou plagiadora) do Departamento de Jornalismo? Esta é uma questão central, até porque vários professores e professoras que passaram por ali, eventualmente reprovaram alunos ou deram zero em trabalhos, por causa de plágio. Não tem cabimento ser rigoroso com o plágio dos alunos e condescendente com professor plagiador.

?Isso é o prenúncio de um escândalo. Mesmo que houvesse prejuízo econômico, era preferível suportá-lo do que conviver com o prejuízo moral de um ato absolutamente ilegal?

Desembargador Luiz Cézar Medeiros

?Parece evidente a existência de inúmeras irregularidades no processo de licitação, que impõem uma providência enérgica pelo Poder Judiciário?

Desembargador Jaime Ramos.

?Isso seria violar a inteligência média não do julgador, mas do povo?

Desembargador José Carlos Carstens Köhler, sobre a subcontratação das empresas para montar a árvore

[A autorização dos pagamentos] ?É o prenúncio de um grande problema no futuro?

Des. Moacyr de Moraes Lima Filho

  •  

Deixe uma Resposta