• Postado por Tiago

Dia 4 fevereiro de 1999

(Continuação da edição anterior)

Claro que nenhum dos dois, durante a campanha na qual pediram votos para deputado, chegou pro povo que votou neles e disse: “Olha, nós estamos disputando a vaga de deputado, pra testar nossos votos pra prefeito na outra eleição, nós não queremos ser deputados, queremos mesmo é ser prefeitos”.

Sequer advertiram o povo que os elegeu, dizendo: “Olha, vocês vão nos eleger deputados, mas nós não pretendemos ficar quatro anos lá no poleiro. Queremos mesmo é testar votos, ser deputados pela metade e se eleitos deputados, deixamos os restantes dois anos para um suplente”.

E se um eleitor espírito de porco lhe perguntasse: “sim, mas quem vai ser esse suplente?”.

Na certa eles diriam: “sei lá”.

Como quem diz: Phoda-se a porca.

vvv

Você votaria no Macagnan e no Volnei se eles durante a eleição tivessem dito isso?

É por coisas e lousas como estas que o povo tem que começar a saber exercer o direito do voto.

Não é votar neste ou naquele, porque alguém pediu, porque é amigo do fulano, ou porque ele prometeu isso ou aquilo.

O povo, antes de votar, deve exigir dos candidatos compromissos claros, sérios e honestos.

E se precaver contra esses candidatos carreiristas e gulosos que querem ser candidatos a tudo.

Como, infelizmente, temos que admitir, é o caso do Macagnan e do Volnei.

vvv

E que fique atento na próxima eleição para prefeito.

Quando todos deverão estar capacitados a exigir dos candidatos compromissos sérios e prontos a dizer não aos gulosos e carreiristas.

vvv

Quero dizer que falo em tese. Nada tenho a perder ou ganhar, pois não votei nem no Macagnan, nem no Volnei.

E não sou candidato a nada.

  •  

Deixe uma Resposta