• Postado por Tiago

g---deborah-colker-foto-rubens-flores-13mai09-j

Espetáculo Cruel teve dois dias de apresentação na capital

O público aplaudiu de pé a curta temporada do espetáculo ?Cruel?, da coreógrafa Déborah Colker, que rolou em Floripa esta semana. A apresentação de dois dias lotou o teatro Ademir Rosa. O espetáculo já foi visto por mais de 55 mil pessoas em todo o país desde o ano passado. Este é o nono trabalho da companhia que leva o nome da artista carioca. Deborah estreou na semana passada um espetáculo no Cirque du Soleil. Ela é a primeira mulher a dirigir uma peça no renomado circo canadense.

O espetáculo Cruel propõe um jogo de interpretação com o espectador. São quatro momentos, divididos em dois atos embalados por música de Vivaldi, Nelson Gonçalves e outros artistas, que levam os 17 bailarinos a um encontro entre o lúdico, o romance, a dor e a tragédia.

Deborah não acompanhou as apresentações em Floripa. A coreógrafa chegou ontem do Canadá e somente a partir da semana que vem se integra aos trabalhos da companhia.

Inspiração

O professor de dança Victor Carvalho diz que assistiu o espetáculo Cruel e as produções de Deborah Colker são um marco na história da dança no país. ?Ela é uma grande coreógrafa que inspira muito o nosso trabalho, já que respiramos este meio. Buscamos inspirações em diversas coreografias dela e hoje temos um novo olhar, uma vez que ela está no Cirque du Soleil. Deborah é sem dúvida a grande divulgadora da dança brasileira no mundo?, comenta.

Daiane Amorim dançou jazz durante sete anos e tem grande admiração pelo trabalho de Colker. ?Ela representa muito para a dança, ainda mais agora que ele está no Cirque Du Soleil. A admiro também porque ela tem preocupação em formar artistas?, conta.

  •  

Deixe uma Resposta