• Postado por Tiago

O homo sapiens sapiens, no paradoxo contemporâneo da liturgia do ventre da mãe amada, segundo teorias “darwinianas”, o matemático Osvaldo de Souza transforma a matéria “paralepipedais” em correntes migratórias para o norte vindo a “infringir” as correntes trapezoidais do sul, surgindo “rebojos” infinitos (autor pescador ribeirinho).

Segundo essa teoria subversiva catastrófica das entranhas do ser, misturando o passado do presente com o futuro imperfeito, acredito que: a transmutação trapezoidais atômicas não condiz com o nosso ser imutável no passado vindo a surgiu relampejos astronômicos futurísticos no qual passamos de metarmofose a “escrotos”.

Seguindo essa linha de raciocínio, a transmutação atômica espermazoidal, vindo das catacumbas do inferno “astral” nos faz lembrar: “ser ou não ser?”, “caminhar ou voltar?”, “ir ou vir?”, “morrer ou nascer?”… Isso tudo depende de cada um…

Simplificando tudo isso: de escritores e filósofos estamos cheios. Precisamos nesse Brasil de gente que saia detrás de um computador, tire a “buzanfa” da cadeira e dê a cara para bater por alguma “ideologia”. Precisamos de “ação”, não “escrivão”, teorias, filosofias, políticos. Palavra não é nada sem “ação”.

Sou obrigado a escrever isso para o Carlyle, pra ver se ele se toca um pouco. Não é possível tanta besteira.

Espero que tenha entendido a mensagem.

Saudações “cheguevarianas”.

Ass: J. Beken

(Transcrito ipsis litteris)

  •  

Deixe uma Resposta