• Postado por Tiago

O Departamento de Administração Prisional (DEAP) disse não ao pedido do juiz corregedor do cadeião peixeiro, Carlos Roberto da Silva. Na quinta-feira passada, o magistrado enviou um ofício pedindo com urgência a transferência de 200 presos do Itajaí. O DEAP garante que não tem pra onde transferir os presos e as carcadas serão feitas aos poucos, conforme as vagas são abertas em outras cadeias da Santa & Bela.

Na manhã de ontem, nove presos ganharam a viagem de ida pra Colônia Agrícola de Palhoça. Eles vão cumprir pena em regime semiaberto e ficarão longe do lotado cadeião peixeiro.

Na leva que foi mandada pra Palhoça estão: Sérgio Luiz de Oliveira, Leandro Sebastião André, Pedro Vitor da Silva Costa, Luís Fernando Paulo, Márcio José Pereira da Silva, Aucionei Matheus, Eduardo Souza de Borba, Jousé Bardi e Elles M. Bento.

Os carinhas tiveram revisão da pena e conseguiram a regalia de ficar em regime semiaberto. Durante esse regime, os presos devem trabalhar numa colônia agrícola ou industrial. Os caras ainda terão as regalias da folga em datas especiais (indulto) e caso se comportem diretinho, podem ganhar o regime aberto, aquele em que o cabra só dorme no xilindró.

Mesmo com a transferência, ontem o cadeião peixeiro tinha 669 presos num espaço projetado para abrigar 198 pessoas. Até o fim desta semana, mais transferências devem acontecer pra tentar aliviar as celas abarrotadas.

O diretor do Deap, Hudson Queiroz, explica que não há como atender ao pedido do becado de uma só vez. Ele garante que as transferências acontecerão aos poucos até chegar ao número de 200 presos .Como não há previsão pra isso rolar, pode levar anos pra eles saírem. O diretor do Deap afirma que é impossível transferir tantos bandidos de uma vez só, e que o esvaziamento do xadrez peixeiro depende de vagas abertas em outras cadeias catarinas.

  •  

Deixe uma Resposta