• Postado por Tiago

A defesa do estudante Lucas Spernau, 19 anos, recorreu da liminar que garantiu uma mesada de um salário mínimo pra cada um dos filhos de duas vítimas fatais do acidente provocado por ele no dia 20 de dezembro, em Balneário Camboriú. O advogado das crianças afirma que a intenção é diminuir o valor das pensões, que hoje, somadas, dão R$ 3,5 mil por mês. O representante de Lucas na dona justa nega tudo e diz que a liminar não respeitou os direitos de seu cliente.

O pedincho de pensão foi feito pelo advogado Gelson José Rodrigues, pra beneficiar os três filhos pequenos de Simone Borges Machado, 27 anos, e os quatro de Edival Dias de Oliveira, 38. Os dois morreram depois que o táxi em que tavam foi atingido pela chicosa Nissan Infinity de Lucas, que atravessou a Terceira avenida voando baixo, e com os faróis apagados. O taxista Natalino Amaral Gomes também partiu pro além a caminho do hospital. A única sobrevivente foi Karina da Silva, 22, que ainda tá se recuperando.

A liminar que concedeu a mesada pros pimpolhos saiu quatro dias depois do acidente, e foi caneteada pelo juiz Paulo Sandri. O pai de Lucas, o ex-prefeito Rubens Spernau (PSDB), levou a carcada junto com o filhote, porque pro magistrado o fato de ser dono do carro que provocou a tragédia o faz solidário em todos os processos que correm na Vara Cível.

O advogado Juliano Cavalcanti, que é ex-procurador da prefa de Balneário, e defende os dois Spernau, resolveu recorrer da liminar porque achou que a carcada não tá de acordo com as leis. “Estamos alegando questões de natureza processual, pela forma como foram tratados esses pedidos de pensão. Assim como os afetados têm seus direitos, Lucas e Rubens também têm”, disse.

Entre os problemas apontados por Juliano tá o fato do juiz ter determinado que a pensão seja paga até cada um dos pequerruchos completar 25 anos, e ter pedido que pai e filho juntem grana suficiente pra arcar com os pagamentos. “Uma liminar visa alcançar um resultado até que seja dada a sentença. Essas determinações só são cabíveis na execução do processo”, diz.

Mão de vaca

Mas pro advogado das crianças, trata-se de uma tentativa de diminuir o valor das pensões. “Tão alegando que as crianças vão ficar ricas com R$ 500 por mês. Mas como uma mãe vai criar o filho com um salário mínimo?”, carca. Ele diz acreditar que os Spernau consigam mesmo dar fim na liminar. “Pela força política que eles têm, acredito que conseguem sim”, lascou.

Juliano Cavalcanti diz que, nesse momento, não tá sendo discutido valor de pensão. “Isso vamos discutir em juízo. Em momento algum o Rubens deixou que as famílias ficassem desamparadas”, afirmou. O recurso tá nas mãos dos desembargadores do Tribunal de Justiça, pra ser analisado.

  •  

Deixe uma Resposta