• Postado por Tiago

Situação de Arruda está complicada

A Executiva Nacional do Democratas decidiu aliviar a barra para o lado do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), e não expulsar o cara do partido ontem mesmo. Os membros que participaram da reunião na tarde de ontem, no Senado, determinaram a abertura de um processo administrativo disciplinar contra o governador. Segundo a assessoria do governador, ele não vai se manifestar sobre a decisão do partido.

Mesmo assim, a situação ainda está complicada para Arruda. O partido fixou prazo de oito dias para que governador apresente sua defesa. O DEM anunciou que até o dia 10 deste mês a legenda definará uma posição final sobre a expulsão ou não de Arruda do partido.

O governador do DF aparece em vídeos recebendo dinheiro e supostamente negociando o pagamento de mesadas a deputados distritais da base aliada, reeditando o famoso ?mensalão?. O escândalo começou no dia 27 de novembro, quando a polícia Federal deflagrou a operação Caixa de Pandora. No inquérito, Arruda é apontado como o comandante de um esquema de distribuição de propina a deputados distritais e aliados.

Catarinense é contra

O senador catarinense Raimundo Colombo (DEM), foi voto vencido na reunião de ontem. Para o cara, o partido deveria ter dado um pé na bunda de Arruda na semana passada, assim que os escândalos foram divulgados pela imprensa. ?O que me leva a pedir a expulsão imediata de Arruda é o fato de que tudo está muito claro, a gente não pode brigar contra as imagens?, disse.

Colombo acredita que se o partido der muita brecha para que o governador do DF sisplique, pode ser acusado de compactuar com a tramoia. ?Nós temos a grande chance de fazer o que o PT não fez no caso do mensalão e dar um exemplo. Eles tentaram esconder o caso e nós queremos explicá-lo. O nome do partido só ficará limpo se Arruda sair?, detonou o senador.

  •  

Deixe uma Resposta