• Postado por Tiago

abre-vereador-de-balneario---dao-koeddermann3

Dão vai pedir prorrogação do prazo final da CPI e resultado deve sair em abril

A comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apura denúncias de falcatruas na administração do Santa Inês, em Balneário Camboriú, tá rendendo uma renca de pulgas atrás das orelhas. Os depoimentos colhidos até agora já revelaram uma porção de contradições, principalmente no que diz respeito ao tamanho da dívida do hospital, antes e depois de ter passado pras mãos da prefa. O vereador Dão Koeddermann (PSDB), que comanda as bizolhadas, diz que vai ser preciso uma auditoria nas prestações de contas pra que os integrantes da CPI cheguem a alguma conclusão.

Ontem à tarde foi a vez da enfermeira Cristiane Souza ser sabatinada pelos edis. Ela foi chefona da comissão de gestão do hospital, depois que o Ministério Público carcou um termo de ajustamento de conduta nos donos do Santa Inês. O depoimento da mulher durou duas horas e meia, e foi o mais demorado até agora.

Desde o dia 15 de janeiro, já foram ouvidos o ex-vice-prefeito Aldemar Bola Pereira (DEM), que chegou a responder pela comissão, o médico Jau Noé Gaya, dono do hospital, e Anybal Gaya Neto, que administra a grana da parte privada do Santa Inês. Ainda tão na lista dos depoimentos Ivo Busarello, o psicólogo Hélio Livino da Silva, que foi o último administrador da época em que os tucanos tavam no poder, e o atual mandachuva, dotô Eroni Foresti.

O conteúdo dos falatórios tá sendo mantido em sigilo, pra tentar pegar possíveis mentirosos no pulo. ?Não queremos que o depoimento de um interfira no do outro?, diz o vereador Dão. Pelo jeito, a estratégia tem dado resultado. Ele afirma que já conseguiu identificar alguns números que não batem. ?Ouvimos do doutor Jau Gaya que a dívida do hospital era de R$ 5 milhões e hoje tá em R$ 20 milhões. Também temos dúvidas quanto aos recursos que são necessários pra gerir o Santa Inês?, diz o tucano.

Dão afirma que o repasse mensal da prefa mudou muito ao longo das administrações. ?Antes girava em 800, 900 mil reais. Hoje a informação que temos é que estaria em 1,5 milhão de reais. Temos que ver que situações podem ter elevado tanto o custo?, questiona.

Vai longe

Mesmo depois de todo mundo ter sido ouvido, a CPI ainda poderá ir longe por causa da grande quantidade de documentos que serão analisados. São mais de 100 mil papélis, a maioria das prestações de contas anuais. ?O hospital informou que não teria como fornecer pra nós todo esse material, então deveremos contratar uma auditoria pra fazer essa análise lá mesmo?, avisou Dão.

A previsão é de que role uma prorrogação no prazo pra conclusão dos trabalhos, que era de 90 dias, pra 150. Nesse ritmo, o resultado da CPI deverá sair só no mês de abril.

  •  

Deixe uma Resposta